Translate

sábado, 17 de dezembro de 2016

RESENHA CINEMA: Rogue One: Uma História de Star Wars (Rogue One: A Star Wars Story, 2016).

ROGUE ONE: UMA HISTÓRIA DE STAR WARS (Rogue One: A Star Wars Story, 2016).

Direção: Gareth Edwards
Roteiro: Chris Weitz, Tony Gilroy, John Knoll, Gary Whitta
Elenco: Felicty Jones, Diego Luna, Donnie Yen, Ben Medelsohn, Mads Mikkelsen, Forest Whitaker, Riz Ahmed, Alan Tudik, Jimmy Smits, Alistair Petrie, Genevieve O’Reilly, James Earl Jones, Valene Kane, Beau Gadsdon, Dolly Gadsdon, Ingivild Deila, Guy Henry, Daniel Naprous, Spencer Wilding.

Jyn Erso (Felicity Jones), filha do engenheiro Galen Erso (Mads Mikkelsen), sobreviveu após seu pai ser levado por Orson Krennic (Ben Mendelsohn), que matou sua mãe Lyra Erso (Valene Kane). Ela recebeu os cuidados do rebelde radical Saw Gerrera (Forest Whitaker), quando mais nova, mas já adulta terminou presa pelo Império Galáctico e terminou libertada pelo Capitão Cassian Andor (Diego Luna), da Aliança Rebelde. Mas a intenção ao libertá-la e descobrir onde está seu pai e os planos para uma arma mortal que ele ajudou a construí-la, a Estrela da Morte.
Nessa busca com Capitão Andor e seu dróide reprogramado K-2SO (Alan Tudyk), Jyn termina descobrindo que um piloto, Bodhi Rook (Riz Ahmed) é um conhecido de seu pai e, na busca por ele que foi capturado por Gerrera, ela conhece o monge cego Chirrut Îmwe (Donnie Yen) e seu guardião Baze Malbus (Wen Jiang). Junto a esse grupo, ela parte para encontrar seu pai e conseguir os planos para a destruição da Estrela da Morte.
No final de “A Vingança dos Sith”, vimos o início da construção da Estrela da Morte, um artefato do Império que é capaz de destruir mundos, e já no começo de “Uma Nova Esperança” vemos a Princesa Leia (Carrie Fisher) carregando os planos de destruição da Estrela da Morte em seu dróide R2-D2, antes dele e seu companheiro, o dróide de protocolo C-3PO, desembarcarem em Tattoine e conhecerem Luke Skywalker (Mark Hammill), iniciando uma das sagas mais idolatradas e adoradas pelos fãs de ficção científica.
“Rogue One” nos coloca entre essas duas histórias, nos mostrando como os planos da Estrela da Morte foram parar nas mãos da Aliança Rebelde e quem foram os responsáveis por isso. A saga de Jyn Erso, Capitão Cassian Andor, K-2SO, o piloto Bodhi Rook, o monge Chirrut Înwe e o guerreiro Baze Malbus se mostrou uma das mais belas histórias de Star Wars, pois mostra que todos somos capazes de ter esperança desde que tenhamos um objetivo e sejamos determinados.
Sinceramente, eu esperei muito tempo para que toda a catarse que me contagiou ao assistir “Rogue One” se assentasse, mas mesmo depois de dias ainda me sinto extasiado pelo filme. Não gosto de confiar em empolgações extremas, pois pessoas têm o costume de exagerar no que gostam ou ojerizam, então quando muitos viram a pré-estreia de “Rogue One” e vieram embevecidos com o filme, preferi deixar e esperar.
Eu esperava um filme bom, mas não esperava por “Rogue One”. A história escrita por John Knoll e Gary Whitta, roteirizada por Chris Weitz e Tony Gilroy, e dirigida por Gareth Edwards, é algo único, mas que capta bem a essência do que conhecemos de Star Wars, onde grandes heróis não são momentâneos, mas sim se constroem, se desenvolvem. E que, às vezes, precisamos ir além de algo para fazer com que os nossos desejos se tornem reais, pois se esperarmos, nunca alcançaremos nossos objetivos.
A história criada para a personagem Jyn Erso – vivida pelas atrizes-mirins gêmeas Beau Gadsdon e Dolly Gadsdon e pela atriz Felicity Jones – tem drama, mas não melodrama. Ela praticamente perde tudo quando criança, torna-se uma marginal aos olhos do Império, indesejada aos olhos da Aliança, mas não desiste, mesmo que veja a todos caírem. É uma guerreira obstinada e destemida, que sabe e conhece seu principal objetivo. O Capitão Cassian Andor, vivido pelo ator Diego Luna, testemunhara tantas coisas e fizera tantos serviços pela Aliança Rebelde, que perdera a sensibilidade humana, tornando-se frio e – quase – desumano quando seu objetivo são suas missões, mas ao conhecer Jyn, algo muda nele, confiando na jovem e seguindo-a no seu objetivo, mesmo que seu dróide, K-2SO – com voz do ator Alan Tudyk – não goste muito disso. A personalidade deste é um dos pontos altos do filme, pois K2 – como é chamado – tem uma personalidade única, conseguindo ser mais interessante do que C-3PO, até.
Outro personagem de grande personalidade é o monge Chirrut Înwe, vivido pelo fantástico Donnie Yen. Sua crença na Força é algo sem igual, levando-o a seguir Jyn, pois acredita que ela possui um propósito maior e que seu destino está escrito e deve ser apoiado por ele, e termina carregando o guerreiro Baze Malbus, interpretado por Wen Jiang, que além de um grande amigo e seu protetor, mesmo que não tenha as mesmas crenças que ele na Força, nessa jornada.
O filme é único, como já escrevi antes. Tem uma história narrada com começo, meio e um fim fantástico, pois muitos de nós já conhecemos seu destino e onde chegará. “Rogue One: Uma História de Star Wars” é mais do que uma simples história, é um ponto crucial para a saga, que determinou o destino de vários nas três histórias que se seguiram.

Existem pontos de divergências com “Uma Nova Esperança”, mas nem isso tira o brilho desse ponto de interligação entre as franquias, pois “Rogue One” é um dos mais fantásticos filmes dessa longeva história e, com certeza, repercutirá por anos e anos e, dificilmente, será esquecido.