Translate

segunda-feira, 6 de junho de 2016

RESENHA CINEMA: Warcraft: O primeiro encontro de dois mundos (Warcraft, 2016).

WARCRAFT: O PRIMEIRO ENCONTRO DE DOIS MUNDOS (Warcraft, 2016).

Direção: Duncan Jones
Roteiro: Duncan Jones, Charles Leavitt
Elenco: Travis Fimmel, Paula Patton, Ben Foster, Dominic Cooper, Toby Kebell, Ben Schnetzer, Ruth Negga, Daniel Wu, Clancy Brown, Robert Kazinsky, Anna Galvin, Burkely Duffield, Ryan Robbins, Dean Redman, Callum Keith Rennie.

O mundo dos orcs está morrendo, então o bruxo Gul’dan (Daniel Wu) escolha alguns clãs para atravessarem um Portal, alimentado pela alma de povos conquistados. O jovem e nobre chefe do Clã dos Lobos do Inverno, Durotan (Toby Kebell) vê nisso uma nova vida para ele, sua esposa Draka (Anna Galvin) e seu filho que está para nascer. Só que a passagem pelo caminho, termina sendo um desastre para Draka e seu rebento, mas Gul’dan mostra que sua força é enorme e traz a criança de volta à vida.
Nesse momento o comandante da Guarda Real de Azeroth, Anduin Lothar (Travis Fimmel), captura o jovem feiticeiro Khadgar (Ben Schnetzer), que diz ter pressentido um grande mal chegando ao reino de Azeroth e que eles precisam convocar o Guardião do reino, Medivh (Ben Foster). Então ambos seguem para encontrar o rei Llane Wrynn (Dominic Cooper) em Ventorbravo, e tomam ciência que o reino está sendo atacado e pilhado por uma horda de monstros que não fazem parte dos Sete Reinos.
Durante as pilhagens, Durotan percebe que há algo muito errado na forma de Gul’dan agir, mas ele precisa prezar pelo seu clã, por sua esposa e filho, Go’el. Enquanto isso Lothar e Khadgar partem para encontrar o Guardião, isolado em Tirisfal, e ele percebe que esse grande mal precisará ser combatido e parte com Lothar e Khadgar.
Chegando ao castelo de Ventobravo, Lothar parte com uma tropa para averiguar o que anda acontecendo em Azeroth, é quando eles são emboscados por guerreiros orcs de Durotan e Mão Negra (Clancy Brown). Medivh interfere, ao perceber que o mal vem do Fel, uma magia sombria que foi responsável pela abertura do Portal Negro. Vencidos, os orcs fogem, mas antes de partir, Durotan liberta a mestiça Garona (Paula Patton), que é capturada por Khadgar e levada ao rei.
Agora que sabem qual é o grande mal, cabe aos guerreiros humanos combaterem esse mal e vencer os orcs. Alianças, traições e grandes perdas acontecem em Warcraft.
Sinceramente, não sou um gamer. Nunca joguei “World of Warcraft”, mas sei que é um dos mais antigos jogos de estratégia em tempo real que as pessoas jogam. Iniciado em 1994, com o RTS “Warcraft: Orcs & Humans”, produzido pela Blizzard Entertainment, ele se expandiu de forma gradativa até 2004 quando se tornou o WoW, um MMORPG (Jogo de RPG online e em massa para múltiplos jogadores). Seu sucesso foi tão grande que gerou várias expansões.
Entre 2007 e 2009, World of Warcraft ganhou também uma adaptação para os quadrinhos. Escrita por Walt Simonson (Thor, Jack Kirby’s Fourth World) e Louise Simonson (New Mutants, Superman: The Man of Steel), levava para a Wildstorm/DC o universo de Warcraft e toda sua saga e expansão.
O que vemos no filme, ao que se percebe, é o princípio dessa história.
Andei pesquisando e procurando entender o Universo de Warcraft, mas ele é tão extenso que fica complicado compreendê-lo por inteiro, sendo assim, vou me prender à fantasia que o filme promove e, nesse ponto, “Warcraft: O primeiro encontro de dois mundos” é fantástico.
Não é o universo de “O Senhor dos Anéis”, mas é rico da mesma forma. Humanos, orcs, anões, elfos, magos, animais fantásticos, demônios, Warcraft tem tudo isso e aparenta ter muito mais. A batalha entre orcs e humanos é extremamente rica, com reinos, clãs e magia. O filme trabalha isso de forma muito fantástica, pois você sente que a muito mais por trás dessa história inicial, que essa batalha poderá render muitas continuações e, sinceramente, eu espero que ocorra.
O roteiro escrito por Duncan Jones – que também assina a direção – e Charles Leavitt, baseados em personagens e história do universo de Warcraft, pelo pouco que pesquisei, tem muito a ver. O enredo, pelo menos, está todo lá. Sem contar que toda as histórias de personagens como Durotan, que herdou o clã dos Lobos da Neve de seu pai e, por isso, é conhecido como um jovem líder, e do comandante Anduin Lothar, que é irmão da rainha de Ventobravo, Lady Taria (Ruth Negga), é muito rica e envolvente. As atuações e os efeitos especiais também não ficam a dever nada, pelo contrário, somente mostram o quão talentosos os atores são.
A maioria dos orcs – com exceção de Paula Patton que interpreta a mestiça Garona – são feitos com captação de movimentos. Então exige um esforço um pouco maior dos atores e atrizes na interpretação e, nesse ponto, Jones conta com um exímio elenco.
Quem assiste o seriado Vikings, sabe do enorme talento de Travis Fimmel. Ele é um ator que se entrega aos seus personagens e é totalmente carismático. Você acredita em sua interpretação do começo ao fim. Ben Foster não é pouco conhecido dos fãs de filmes de ação. Ele esteve em “X-Men 3: O Confronto Final”, interpretando Warren Wortington III, mas também em filmes como “Alpha Dog”, “Os Indomáveis”, “Pandorum” e “Assassino a Preço Fixo”. Outro grande conhecido e Dominic Cooper, mais conhecido como Howard Stark de “Capitão América: O Primeiro Vingador” e “Marvel’s Agent Carter”, só que ele também já fez “Abraham Lincoln: Caçador de Vampiros”, “Drácula: A História Nunca Contada” e atualmente está interpretando Jesse Custer na série para TV “Preacher”, baseada nos quadrinhos homônimos da Vertigo/DC. A novidade é o ator Bem Schnetzer, que fez a série ”Happy Town” e atuou no filme “A Menina Que Roubava Livros”. Ele se destaca nesse elenco grandioso.
No lado dos orcs e a captação de movimentos temos o ator Toby Kebell, se regerando pelo falho Victor Von Doom do mais recente “Quarteto Fantástico”. Não é o seu primeiro personagem de captação de movimentos, por ele interpretou o famigerado Koba em “Planeta dos Macacos: O Confronto”. Em breve o veremos novamente em Ben-Hur, que tem previsão de estreia em agosto de 2016. Além dele, temos o ator Robert Kazinsky, que já estou na série de TV “True Blood”, fez o piloto Chuck Hansen em “Círculo de Fogo” e esteve na série “Second Chance”, Clancy Brown, que também é bem conhecido por suas atuações em “Highlander – O Guerreiro Imortal”, “Tropas Estelares”, as séries de TV “Earth 2”, “Carnivale”, “Sleepy Hollow” e “Flash”, além de emprestar sua voz inúmeras vezes para o vilão Lex Luthor, da DC Comics, e vários outros personagens em animações, e Daniel Wu, que fez a série “Into the Badlands”, e fez filmes como “O Mestre da Guerra” e “O Homem com Punhos de Ferro”.

“Warcraft: O primeiro encontro de dois mundos” pode ser baseado em um jogo online, mas ele impressiona por ser uma excelente película de fantasia e ação da melhor qualidade, do começo ao fim.