Translate

sexta-feira, 11 de março de 2016

RESENHA HQ: A Última Caçada de Kraven (Spider-Man: Kraven’s Last Hunt)

A ÚLTIMA CAÇADA DE KRAVEN (Spider-Man: Kraven’s Last Hunt)

Roteiro: J.M. DeMatteis
Desenhos: Mike Zeck
Arte-Final: Robert McLeod
Editora: Marvel Comics (BR: Panini Books)
Ano: 2007 (BR: 2015)
Pág.: 148

Kraven – ou Sergei Kravinov ou Sergei Nikolaievich Kravinoff – surgiu em Amazing Spider-Man #15 (agosto de 1964) como um entediado caçador de raridades que vai à Nova Iorque caçar o Homem-Aranha para colocá-lo em sua coleção. Ele consegue encarar o Cabeça-de-Teia graças a elixires que ingere e lhe dão força, agilidade e velocidade incríveis. Por anos ele buscou superar o Aranha, mas sempre sem sucesso. Chegou a ser membro do Sexteto Sinistro, grupo de super-vilões que se juntaram para derrotar o Aracnídeo, mas nunca tiveram sucesso.
Kraven sempre se mostrou um vilão obstinado por derrotar o Homem-Aranha e em “A Última Caçada de Kraven” mostra até onde vai essa sua obstinação. Em termos ele “mata” o Aracnídeo e toma seu lugar, só que uma aberração canibal aterroriza as ruas de Nova Iorque.
Falar que ele “mata” o Aranha não entrega nem um terço da história, pois esse nem é o ponto importante da história contada por J.M. DeMatteis e desenhada por Mike Zeck. Os pontos importantes são a loucura e as dúvidas que pairam nos pensamentos de Kraven e do Homem-Aranha, respectivamente.
Ao ler a história comecei a suspeitar que a ideia dos elixires e ervas que Kraven ingere para enfrentar suas presas o levam à insanidade, à loucura. Suas crenças de se tornar aquele que ele caça para superá-lo, deixa-o totalmente lunático.
Sem contar que a história contem três visões diferentes de animalidade. O homem que ganhou poderes de um animal, o homem que precisa sentir-se um animal e o homem que se tornou um animal. É muito legal ver como DeMatteis trabalha essas ideias na história.
Constantemente vemos, também, conflitos do consciente com o sub-consciente, ideias e conjecturas numa batalha sem fim, buscando uma verdade ilusória que move os personagens a terem a esperança de algo melhor.

Eu comprei “A Última Caçada de Kraven” por mera curiosidade, pois sempre li e ouvi muitos elogios a respeito da história. Então, depois de lê-la, compreendi o que motivava as pessoas aos elogios. A história é um emaranhado de surpresas  que as pessoas precisam ler para compreender.