Translate

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

RESENHA HQ: Preacher

PREACHER

Roteiro: Garth Ennis
Desenhos: Richard Case, Steve Dillon, Carlos Ezquerra, Steve Pugh, Peter Snejberg.
Editora: Vertigo Comics (BR: Panini Books)
Ano: 2009-2014 (BR: 2010-2014)
Pág.: 2.108

Em abril de 1995, Garth Ennis se uniu ao desenhista Steve Dillon e criou a saga do reverendo Jesse Custer. Foram 66 edições, nove especiais (um deles foi a minissérie Preacher: O Santo dos Assassinos, em 4 partes), que contaram toda a busca do reverendo, ao lado de sua namorada Tulipa O’Hare e do vampiro irlandês Proinsias Cassidy (“nunca o chame pelo primeiro nome!”), por Deus, que abandonara o Céu e deixara todos necessitados. Então em junho de 2012, a Panini Books lança o primeiro encadernado da série, “A Caminho do Texas”, recomeçando no Brasil a trajetória do reverendo, que fora possuído pela entidade Genesis, filho de um anjo com uma demônia.
Coloquei “recomeçando”, pois a Panini não foi a primeira a publicar o material de Ennis e Dillon (com capas do fantástico Glenn Fabry) no Brasil. Antes da editora, tiveram a Metal Pesado, Tudo em Quadrinhos, Brainstore, Devir e Pixel Media, mas nenhuma finalizou as publicações. Tomando essa fantástica edição da Vertigo Comics – linha de quadrinhos destinado a um público maior de 18 anos – nas mãos, a Panini lançou as edições encadernadas em nove volumes, contando com toda a série e os especiais.
Praticamente o enredo eu já citei acima e é basicamente isso. Mas se você somente levar em contar o que eu coloquei, a história parece banal e sem graça, só que Preacher está longe disso. A história já começa com um assassinato em massa quando a cria de um anjo com uma demônia, Genesis, se apossa do corpo de Custer. A reencontrar o amor de sua vida, Tulipa O’Hare, o reverendo fica sabendo que ela se tornou uma assassina contratada. Quando decide roubar uma picape, Jesse e Tulipa conhecem Cassidy, um vampiro que vive na traseira da caminhonete durante o dia.
No desenrolar da história, Jesse, Tulipa e Cassidy enfrentam a família de Jesse, um bando de caipiras que foram responsáveis pela morte de seu pai e pelo desaparecimento de sua mãe. Encaram a organização O Graal, liderada por pessoas que creem no retorno de Jesus à Terra e farão de tudo para que isso aconteça o mais breve possível. Um dos homens a frente da organização é Herr Starr, um militar frio e calculista, capaz de fazer qualquer coisa para conseguir aquilo que deseja. Eles também precisam encarar o Santo dos Assassinos, o mais vil e desalmado assassino que Deus colocou no encalço de Jesse Custer e seus companheiros. Ele possui duas pistolas que disparam balas infinitamente e que podem perfurar tanques de combate, e nada pode destrui-lo, nem mesmo uma bomba atômica, pois ele nunca para até completar sua missão.
Uma das coisas mais interessantes no andar da saga de Custer em busca de Deus, são os personagens que surgem no transcorrer da série e ganham uma notória importância depois, como o Santo dos Assassinos e o Cara de Cú.
Esse segundo é um rapaz que teve o rosto deformado após disparar um tiro contra si mesmo. Ele vive com seu pai em uma pequena cidade no interior do Texas, até que cruza o caminho de Jesse Custer. Então, ele perde o pai e na busca por vingança e descoberto e se torna um famoso cantor. Sua deformação o tornou tão asqueroso que as pessoas não suportam olhar para ele terminam vomitando e passam mal. Sem contar que ninguém consegue entender uma palavra daquilo que ele diz.
A composição roteiro e arte é uma dos pontos máximos desse trabalho, pois o trabalho limpo de Steve Dillon deixa mais exposto toda a crueza do que Ennis deseja passar com a história. Temos desde explosões de cabeças até brigas na base de porrada. Ossos quebrados, olhos saltados, cabeças cortadas, tudo de forma mais realista e anormal possível. Dillon tem o mais belo trabalho artístico que eu já vi em quadrinhos. Suas paisagens desenhadas são dignas de quadros, seu traço fino e limpo são dignos de apreciação.
Ler Preacher é apreciar uma história bem contada do começo ao fim. Em nenhum momento ela é arrastada, monótona ou entendiante, pelo contrário, você não consegue soltar os livros até o término deles.
Eu demorei para concluir os nove volumes, pois não conseguia encontrar uma edição, mas assim que a consegui, terminei-a de forma fácil e ligeira, pois deu muito prazer lê-la.
Você tem ação, romance, suspense, guerra e, por que não, religião em uma das sagas dos quadrinhos mais fantásticas dos últimos tempos.

Recentemente o canal AMC anunciou o seriado baseado nos quadrinhos, estreado por Domic Cooper (Capitão América: O Primeiro Vingador), Rut Negga (Agents of S.H.I.E.L.D.) e Joe Gilgun (Sequestro no Espaço). Eu cheguei a ver o primeiro trailer da série, mas sinceramente fiquei receado sobre certos aspectos do que vi, pois existem fatores da série em quadrinhos que são de extrema necessidade que apareçam, mas que não vi no trailer. Espero que seja justificado o motivo de não aparecer e que seja um sucesso, pois ler Preacher é como ter em mãos uma obra prima da nona arte na qual vale a pena revisitar outras vezes (algo que farei quando me for possível).