Translate

quarta-feira, 1 de julho de 2015

RESENHA HQ: Demolidor: Fim dos Dias – Volume 2



Rosebud... ou melhor, Mapone.

DEMOLIDOR: FIM DOS DIAS – VOLUME 2 (Daredevil: End of Days – Volume 2)

Roteiros: Brian Michael Bendis e David Mack
Artes: Klaus Janson, David Mack, Alex Maleev, Bill Sienkiewicz e Michael Lark.
Editora: Marvel Comics (BR: Panini Comics)
Ano: 2012 (BR: 2015)
Pág.: 124

E chega ao fim essa minissérie que narra acontecimentos após a morte do Demolidor.
A investigação do repórter Ben Ulrich continua, na tentativa de descobrir o que é “Mapone” e para fazer a reportagem póstuma do herói, encomendada pelo seu editor-chefe e patrão, J. Jonah Jameson. Para isso, ele arrisca a vida constantemente, procurando os antigos inimigos do Homem Sem Medo, e sendo salvo pelo novo Demolidor, um misterioso vigilante que usa o uniforme do “Demônio da Cozinha do Inferno”.
Do Coruja aos ninjas da Tentáculo, Ulrich descobre que Matt Murdock possui mais segredos do que ele poderia imaginar. Ele esbarra com o Justiceiro, durante uma fuga da prisão deste. Encontra-se com o Gladiador, que agora é dono de uma loja de fantasias, e mais é revelado sobre o salvamento de seu filho pelo Demolidor original. Além de termos uma participação super-especial de Peter Parker.
O mais interessante não é a revelação da pessoas por trás da máscara do Demolidor (quem leu o primeiro volume deve possuir uma mera suspeita), mas sim sobre Mapone.
Brian Michael Bendis, como no primeiro volume, trabalha muito bem as pequenas nuances do personagem de forma sutil e se preocupando em encerrar a minissérie com chave de ouro. Para tornar o exemplar mais interessante, ainda temos um “O Que Aconteceria Se...?”, escrito por Bendis e desenhado por Michael Lark, pensando como teria sido tudo se Karen Page tivesse sobrevivido.
A arte é outra grande atração dessa segunda parte, pois ela nos foi proporcionada por quatro grandes artistas que, de tão bem sincronizados, você mal sabe um termina e o outro começa. A arte deles nos dá uma ideia de coisas sujas e sombrias que ocorrem na vida dos Ulrich, de Murdock e todos que circulam por esse encadernado. O único que se diferencia é Bill Sienkiewicz (mais um sobrenome que eu tenho problemas... rsss), que tem seu momento, aparentemente, separado na série.
Demolidor: Fim dos Dias – Volume 2 é uma excelente conclusão da minissérie, com surpresas e um final digno de um trabalho feito com esse vigilante.