Translate

quarta-feira, 27 de maio de 2015

RESENHA SÉRIES: The Flash

"The Flash" é a melhor série televisiva de super-heróis.

(Poderão acontecer SPOILERS e por esse motivo, já lhes peço desculpas).

No começo dos anos de 1990, a Warner Bros. decidiu levar o Flash para a TV. A série, infelizmente, não foi a frente, somente durando uma temporada. Nela tínhamos o ator John Wesley Shipp vivendo Barry Allen/Flash e enfrentando os mais diversos problemas. Para um fã de super-heróis, a única temporada da série é memorável, tanto que, quando anunciaram uma nova série, muitos zombaram dizendo que nunca superaria a clássica, além de criticarem as escolhas de atores, principalmente o ator Grant Gustin (Glee), que viveria o personagem Barry Allen/Flash. Daí, saíram as imagens publicitárias com o uniforme do personagem e vazaram fotos dele no set de filmagem, e brincadeiras aconteceram dizendo que o uniforme não era fiel e que o ator era um magricela e a roupa era folgada demais. Quando os primeiros vídeos promocionais da série surgiram, foram ovacionados por muitos.


Depois surgiu o primeiro trailer e muitos elogiaram. Quando o piloto saiu, foi um frenesi de pessoas que diziam que a série seria muito boa, até mesmo os que criticaram, começaram a elogia-la, mesmo que timidamente (não admitiram ter “mordido a língua”). 

A SÉRIE
Bem, como um spin off de Arrow, a série não começou no episódio piloto da primeira temporada. Ela começou a ser elaborada, de certa forma, a partir do episódio “The Scientist”, quando Barry Allen (Grant Gustin) aparece em Starling City e ajuda a polícia a decifrar um caso que aparenta ser impossível, mas ao qual Barry percebe certa semelhança com o que ocorrera em Central City. Ele reaparece, novamente, no episódio seguinte, Three Ghosts”, ele reaparece, mas o mais importante está no final do episódio quando ele sofre o acidente que lhe daria os poderes de Flash. A partir daí está dado o passo inicial para a série.


No piloto da série somos apresentados ao contexto que leva ao acidente de Barry. Primeiro temos uma prévia da história de Barry, quando ele perde sua mãe. Ela é assassinada por um borrão vermelho e amarelo, mas seu pai é acusado de matá-la. Daí então, vamos ao presente da história, mostrando Barry Allen como cientista foresense ajudando o detetive Joe Allen (Jesse L. Martin), que o criou desde pequeno, após seu pai ser preso injustamente, a investigar um caso de roubo. Mais tarde, ele e sua amiga Iris Allen (Candice Patton), uma aspirante a repórter, vão ao Laboratório STAR para testemunhar o ligamento do primeiro Acelerador de Partículas de Central City. Mas enquanto o Dr. Harrison Wells (Tom Cavanagh) faz sua apresentação, a bolsa de Iris é roubada e Barry tenta recuperá-la, mas é surrado pelo ladrão. Quando este pula a cerca para fugir, é capturado pelo detetive Eddie Thawne (Rick Cosnett), recém-transferido para a DPCC. Com isso, Barry retorna ao seu laboratório forense, onde testemunha uma explosão do Acelerador de Partículas, quando está para fechar a claraboia sobre seu laboratório, um raio o atinge e o joga sobre vários produtos químicos, fazendo Barry entrar em coma. Enquanto isso, Joe Allen enfrenta uma dupla de marginais, os irmãos Clyde (Chad Rook) e Mark Mardon (Liam McIntyre) em um celeiro, onde seu parceiro é assassinado por Clyde Mardon. Enquanto fugiam, o avião dos irmãos e atingindo pela onde de impacto da explosão do Laboratório e é destruído.
Barry (Grant Gustin) atingido pelo raio gerado da explosão do Acelerador de Partículas
Passam-se nove meses desde a explosão do Acelerador de Partículas e Barry desperta dentro do Laboratório STAR, sendo cuidado pela bio engenheira Caitlin Snow (Danielle Panabaker), o engenheiro mecânico Cisco Ramon (Carlos Valdes) e o – agora – cadeirante Dr. Harrison Wells. Apesar de tentar explicar suas condições, Barry não acredita muito e parte do Laboratório, indo encontrar Iris Allen no seu ambiente de trabalho, a cafeteria local. Lá, Barry percebe que algo está diferente com ele e decide sair o mais rápido possível. Do lado de fora, percebe que seu corpo está vibrando de uma forma diferente e quando decide correr, percebe que é mais rápido do que um ser humano comum. Daí então resolve voltar ao Laboratório, passando por uma bateria de testes para verificar suas limitações, impressionando a maioria dos espectadores. Ele percebe que pode usar esse dom de uma forma positiva, ainda mais quando Clyde Mardon retorna à Central City, depois de ser dado como morto, e aparenta ter super-poderes como Barry, só que ele manipula o tempo.
Barry o enfrenta uma primeira vez, mas percebe o risco de ter sua vida totalmente prejudicada caso descubram sua verdadeira identidade, sem contar a quantidade de roupas que perderia, chamuscadas pelo atrito gerado quando corre, bem como tênis. Sendo assim,
Cisco lhe providencia um traje especial que pode suportar o atrito durante a super-velocidade, bem como um comunicador ao qual eles podem se falar, caso precise de algum tipo de orientação.
Ao enfrentá-lo uma segunda vez, Barry termina revelando sua identidade secreta a Joe West, que se torna seu outro confidente. Ele termina vencendo Clyde Mardon e se torna o “borrão vermelho”, como Iris o menciona em seu blog.
Depois desse piloto, cheio de alta velocidade e uma história de prender o fôlego, vemos o crescimento da série na medida em que ela é desenvolvida. Vemos surgir vários vilões da Galeria de Vilões do Flash, bem como personagens do Universo DC, como o Dr. Simon Stagg (William Sadler), mais conhecido no universo do Monstro do Pântano, Névoa (Anthony Carrigan), notório vilão das histórias do primeiro Starman, General Wade Eiling (Clancy Brown), que surgiu nas histórias do Capitão Átomo. A própria Caitlin Snow e a personagem Bette Sans Souci (Kelly Frye), são vilãs do personagem Nuclear, que também aparece na sua versão clássica, ou seja, na mesclagem do – agora – engenheiro estrutural Ronnie Raymond (Robbie Amell) e Dr. Martin Stein (Victor Garber). Cisco Ramon também é o personagem meta-humano dos quadrinhos Vibro.
Caitlin Snow (Danielle Panabaker), Dr. Harrison Wells (Tom Cavanagh) e Cisco Ramon (Carlos Valdes), a equipe de apoio do Flash nos momentos de ação.
A história da primeira temporada rola em torno do surgimento de vários desses personagens, bem como vilões que ganham poderes após a explosão do Acelerador de Partículas, como o bully de Barry Allen nos tempos de escola, Tony Woodward, que ganha os poderes de tornar o corpo rígido como aço. Os irmãos Mardon que ganham poderes de manipular o tempo. O ladrão Roy G. Bivolo (Paul Anthony) que manipula as emoções das pessoas. A jovem Lashawn Baez (Britne Oldford) com a capacidade de mudar a densidade do próprio corpo, além do teleporte. O – também – jovem Danton Black (Michael Smith), que possui a capacidade de gerar múltiplos corpos. E o gigantesco gorila Grodd (David Sobolov), que ganha grande intelecto e a capacidade de manipulação mental a longa distância.
Capitão Frio (Wentworth Miller) e Onda Térmica (Dominic Purcell), inimigos clássicos do Flash que marcam presença na série.
Mas além desses vilões que ganharam a alcunha de meta-humanos (termo notório no Universo DC para diferenciar os personagens super-poderosos dos sem poderes), temos também outros que não possuem grandes poderes, mas que são engenhosos, como Leonard Snart (Wentworth Miller), ladrão que rouba uma pistola congelante, criação de Cisco. Seu parceiro de assaltos, o esquentado Mick Rory (Dominic Purcell), recebe de Snart uma lança-chamas portátil, também criação de Cisco e, após sequestrarem o jovem engenheiro, eles o obrigam a construir uma pistola que dispara ouro líquido para a desequilibrada Lisa Snart (Peyton List). Snart é um dos poucos vilões que conhecem a identidade secreta do Flash, algo que ele não divide nem com a irmã, para ter usufruto futuro disso.
Lisa Snart (Peyton List), a Patinadora Dourada.
Outro vilão clássico do Flash, ao qual ele enfrenta, mas na série “Arrow”, é “Digger” Harkness (Nick E. Tarabay), hábil em jogar bumerangues assassinos e explosivos que busca vingança contra a A.R.G.U.S. e é impedido pelo Flash e por Arrow (Stephen Amell).
Todos esses vilões ganham apelidos dados por Cisco Ramon como, por exemplo, Snart, sua irmã e Rory são chamados de Capitão Frio, Patinadora Dourada e Onda Térmica, respectivamente.
Mas boa parte da trama da primeira temporada se vê focada em Barry Allen descobrir quem é o assassino de sua mãe, encontrá-lo e detê-lo ou prendê-lo. Com suas capacidade de velocidade ampliada, Barry desconfia que se foi possível ele se tornar um o “Homem Mais Rápido do Mundo”, seria possível que existe outro como ele, sem ter noção que o assassino está mais próximo dele do que imagina e necessita dele mais do que de qualquer outro.
Outro fator muito importante na série é o enigma por trás do Dr. Harrison Wells, pois as medida que a série se desenrola, vamos descobrindo evidências sobre seu passado e sua ligação ao Flash Reverso. Descobrimos que ele é Eobard Thawne (Matt Letscher), um velocista que usa a Força da Velocidade gerada pelo Flash. Além de ser o responsável pelo assassinato da mãe de Barry, ele também assassinou o Dr. Harrison Wells e sua esposa, assumindo o lugar dele. Ele roubou de Barry, no futuro, Gideon (na voz da brasileira Morena Baccarin), uma inteligência artificial que faz ligação entre Eobard e o futuro. Eobard também foi responsabilizado pela explosão do Acelerador de Partículas, pois desejava que Barry se tornasse, mais cedo, o Flash. Os meta-humanos que surgiram no processo foram um “erro calculado”.


A rivalidade entre os dois velocistas é um dos pontos altos da série. As brigas em alta velocidade são um show a parte, como todos os trabalhos de efeitos especiais da série, mostrando que a Warner não poupou esforços para dar-nos algo de qualidade, como por exemplo, o gorila Grodd que muito se especulou desde a aparição de seu nome no episódio piloto, fez uma bela aparição que mesmo sendo todo digitalizado, parecia bem real, mostrando que despesas não foram poupadas. A série teve um grande ganho com isso, pois agradou a fãs, e os críticos de plantão ficaram sem muitos comentários.
Grodd é um show a parte dos efeitos especiais de "The Flash".
O final da temporada de The Flash foi totalmente apoteótico, demonstrando que toda a construção dos acontecimentos da série levariam até aquele momento, pois Eobard, ainda na forma de Wells, consegue negociar com Barry para que ele faça algo que pode mudar a vida de ambos, ou seja, ele salva a própria mãe e possibilita o retorno de Eobard ao seu tempo, mas o seu eu do futuro o impede disso e quando ele retorna, durante sua luta contra Eobard, seu antepassado, o detetive Eddie Thawne, faz  o sacrifício máximo, tirando a própria vida. Mas sem ter consciência disso, abre um buraco negro que começa a drenar a realidade de Barry, fazendo com que este lute com essa singularidade.
Possíveis elementos da segunda temporada são apresentados, como o elmo de Jay Garrick, o Flash da Terra-2, além de personagens que comporão o spin-off “Legends of Tomorrow”, como Kendra Saunders (Ciara Renee), a Mulher-Gavião e a menção de Rip Hunter (Arthur Darvill) por Eobard Thawne. Agora é esperar para vermos o que virá.

FIDELIDADE
Pensem no imenso Multiverso DC, onde vários planetas coexistem paralelamente, mas cada um em sua realidade. Pensou? Então agora você embarca no Universo Televisivo (não sei se ele já possui um número ou outro nome), onde as coisas não são exatamente idênticas ao que você lê nos quadrinhos. Temos Barry Allen (Grant Gustin), cientista forense, que perdeu a mãe depois desta ser assassinada. Seu pai é acusado do crime, sendo que não o cometera, mas sem ter como provar, termina na prisão. Mas depois disso iniciam-se as diferenças.
Apesar de Barry ser órfão de mãe e ter o pai preso, ele não é criado por outros parentes, mas sim pelo detetive Joe Allen (Jesse L. Martin). Ele e Iris Allen (Candice Patton) são criados juntos e mesmo que Barry sinta-se atraído por Iris, ela o trata como um irmão. Além disso, Joe e Iris são afro-descentes, bem diferentes dos quadrinhos, onde Iris é caucasiana.
Outra diferença vem na forma como Barry ganha seus poderes. Enquanto nos quadrinhos, uma estante de produtos químicos é atingida por um raio, caindo sobre ele e lhe dando seu poder, no seriado, depois de um fracassado encontro com Iris, quando os Laboratórios S.T.A.R. estão para inaugurar um Acelerador de Partículas em Central City, Barry retorna ao seu laboratório na polícia e enquanto fechava o solário do seu local de trabalho devido à chuva, uma explosão do Acelerador lhe atinge e o faz entrar em coma. Quando sai do coma descobre que possui poderes de super velocidade e que não se cansa facilmente. Com a ajuda do Dr. Harrison Wells (Tom Cavanagh), o engenheiro mecânico Cisco Ramon (Carlos Valdes) e a bioengenheira Caitlin Snow (Danielle Panabaker), ele aprende a controlar seu poder e ganha um traje que poderá ajudá-lo no futuro se tornando o Flash.
Essas diferenças são a construção que haviam começado na série “Arrow”. Em sua segunda temporada, personagens como Caitlin Snow e Barry Allen apareceram por lá. Barry chegou a aparecer em dois episódios, deu a ideia de Oliver Queen (Stephen Amell) usar uma máscara, teve um affair com Felicity Smoak (Emily Bett Rickards) e o prólogo de sua série foi apresentado em Arrow, também.
Arrow (Stephen Amell), Flash (Grant Gustin), John Diggle (David Ramsey) e Felicity Smoak (Emily Bett Rickards), investigando os ataques do Capitão Bumerangue (Nick E. Tarabay).
Outra criação da série foi o relacionamento entre Oliver Queen e Barry Allen. Nos quadrinhos, Barry não suportava Oliver por causa dos princípios de ambos serem bem diferentes, mas no seriado, apesar das diferenças na forma de agir, Barry e Ollie até conseguem se entender, na maioria das vezes.
Outras situações e personagens da série também diferem suas origens, como a do personagem Nuclear, que nada mais é do que a união entre os corpos do Prof. Martin Stein (Victor Garber) e o engenheiro estrutural Ronald “Ronnie” Raymond. Enquanto nos quadrinhos outros fatores foram responsáveis pela união dos dois, no seriado o acidente fez com que Ronnie ficasse preso dentro do Acelerador de Partículas. Naquele momento, do lado de fora dos Laboratórios S.T.A.R., o professor Stein buscava ativar seu projeto F.I.R.E.S.T.O.R.M. (algo como Pesquisa e Experimento de Fusão, Ignição e Ciência da Tramutação Originário do ARN e Estruturas Moleculares) quando a explosão uniu ele, Ronnie e o projeto em uma só pessoa.
Ronnie Raymond (Robbie Amell) e Dr. Martin Stein (Victor Garber), que quando unidos formam o Nuclear.


Também temos o vilão Grodd (David Sobolov), um gorila inteligente com poderes telepáticos. Nos quadrinhos, Grodd é um dos habitantes da Cidade dos Gorilas, com o sonho megalomaníaco de dominar a cidade, mas sempre foi contido pelo Flash, o único que conhecia como chegar à Cidade. Já na série, Grodd era um experimento que Wells vinha desenvolvendo com o exército.
General Wade Eiling (Clancy Brown), um dos grandes vilões da primeira temporada de The Flash.
Ele e o general Wade Eiling (Clancy Brown) estavam trabalhando no controle de mentes e usavam um gorila para isso. No intuito de motivar Grodd a usar suas capacidades, Eiling torturava o animal. Quando ficou sabendo disso, Wells finalizou o projeto e levou Grodd consigo para os Laboratórios S.T.A.R., onde ele e Caitlin o criaram. Quando o acidente com o Acelerador de Partículas ocorreu, as capacidades mentais de Grodd ampliaram e além da capacidade de controle mental, Grodd se tornou inteligente.
A participação muito especial de Mark Hammil (Star Wars), novamente como Jesse James, o Trapaceiro.
Mas mesmo com as diferenças de origens, que caracterizam um novo Universo DC, Flash demonstrou ser bem fiel em vários outros sentidos, principalmente na Galeria de Vilões do Flash, pois temos a presença de Capitão Frio (Wentworth Miller), Onda Térmica (Dominic Purcell), Patinadora Dourada (Peyton List), Mago do Tempo (Liam McIntyre), Flautista (Andy Mientus), Trapaceiro I (Mark Hammil), Trapaceiro II (Devon Graye) e – mesmo tendo aparecido na série Arrow – Capitão Bumerangue (Nick E. Tarabay). Vemos também vilões de segundo escalão ou mais recentes dos quadrinhos Rainbow Rider (Paul Anthony), Névoa (Anthony Carrigan), Bug-Eyed Bandit (Emily Kinney), Viga (Greg Finley), Peek-a-Boo (Britne Olford), Blackout (Michael Reventar), Deathbolt (Doug Jones), Multiplex (Michael Smith) e o Rei Relógio (Robert Knepper). O que mais me entristeceu foi a aparição da vilã Plastique (Kelly Frye), que terminou falecendo no episódio 5 da primeira temporada.
O Mago do Tempo (Liam McIntyre) agindo para vingar a morte do seu irmão, Clyde Mardon (Chad Rook).
PRODUÇÃO
The Flash conta com os mesmo produtores de Arrow, com exceção de Marc Guggenheim: Greg Berlanti, Geoff Johns, Andrew Kreisberg e Sarah Schechter.
Greg Berlanti é um dos produtores mais celebrados do Universo Televisivo DC. Ele vem trabalhando com a Warner desde 2004, quando produziu um filme para TV. Entre os anos 2002 e 2006, Berlanti produziu para a Warner a série “Everywood: Uma Segunda Chance”. Em 2011, junto com Marc Guggenheim, escreveu o roteiro do filme Lanterna Verde, que o ligou ao Universo DC. Ele e Guggenheim, junto com os outros produtores se organizaram e começaram a produção de “Arrow”. Graças ao sucesso da série, decidiu-se dar continuidade e na segunda temporada da série, ele e Kreisberg escreveram o episódio “The Scientist”, onde Barry Allen debutava. No segundo episódio em que Barry apareceu, “Three Ghosts”, acontece o acidente que somente viria a ser esmiuçado no seu seriado. Em 2014, Berlanti produziu dez episódios da série, mas desenvolveu todos os vinte e três, além de escrever a história de quatro episódios. Hoje está envolvido na criação e desenvolvimento da série Supergirl, além de produzir o spin off de Arrow e The Flash, Legends of Tomorrow.
Geoff Johns também é colocado como criador da série The Flash, ao lado de Berlanti e Kreisberg. O primeiro trabalho de Johns como produtor, foi como consultor da série Blade – The Series, que se baseava no personagem da Marvel Comics. Ele participou da co-produção de Lanterna Verde. Nos quadrinhos, desenvolveu história que ressuscitaram o Lanterna Verde Hal Jordan, o Flash Barry Allen, além de trabalhar no desenvolvimento das sagas “Noite Mais Densa” e “Dia Mais Claro”, ambas ligadas ao Lanterna Verde, mas que envolveram todo o Universo DC. Depois fez Ponto de Ignição, que ao fim iniciou Novos 52, o novo universo DC dos quadrinhos, onde ele revitalizou o Aquaman ao lado do brasileiro Ivan Reis. Geoff Johns ocupa a cadeira de Chefe de Criação da DC Comics, se envolvendo no desenvolvimento de histórias em quadrinhos, filmes e séries. Dessa forma está ligado ao que vêm acontecendo na Warner com ligações aos super-heróis da DC Comics, seja como escritor ou produtor. Trabalhou em uma história de Arrow (The Man Under the Hood), além de escrever outra (Dead to Rights). Já em Flash ele trabalhou na história inicial da série e escreveu outras duas (Going Rogue e Revenge of the Rogues).
Andrew Kreisberg começou escrevendo um roteiro para a sitcom Malcolm & Eddie, em 1998. Chegou a escrever dois episódios para Os Simpsons em 2002 (Tales From The Public Domain) e 2003 (Barting Over). Em 2003 fez seu primeiro trabalho de co-produção da sitcom Hope & Faith, mas veio a conviver com os personagens da DC Comics quando produziu a série Liga da Justiça Sem Limites, onde escreveu oito episódios. Depois de co-produzir Diários de um Vampiro, Fringe e Warehouse 13, se juntou a Greg Berlanti e Marc Guggennheim para produzir Arrow. Com o sucesso da série, Kreisberg e Berlanti se uniram e criaram The Flash. Antes introduziram o personagem em dois episódios de Arrow. Um apresentava o personagem Barry Allen (The Scientist) e o outro apresentava sua origem ao final do episódio (Three Ghosts)., para então a série iniciar. Hoje a série “The Flash” é o maior sucesso do canal CW, em parte, graças a Andrew Kreisberg.
Sarah Schechter começou como assistente do produtor Barry Mendel em “Os Incríveis Tenenbaums”, de 2001, do diretor Wes Anderson. Em 2004 foi Executiva encarregada do filme “A Vida Marinha de Steve Zissou”, também de Anderson. Então em 2014, se tornou produtora executiva do piloto de Flash, ao lado de Berlanti, Johns e Kreisberg. O envolvimento de Schechter foi nos dez episódios mais importantes do seriado “The Flash”. Hoje ela está relacionada, também, ao seriado Supergirl e Legends of Tomorrow, spin off de Arrow e The Flash.
ELENCO
O elenco de “The Flash” parece ter sido selecionado a dedo e como se tivesse trabalhando há anos juntos, de tão bem entrosado e tão profissional. Desde o protagonista ao seu maior antagonista, cada membro do extenso elenco da série tem sua importância. Mesmo os personagens que têm aparições curtas, marcaram seus momentos, como a atriz Kelly Frye (General Hospital) que somente apareceu para interpretar a personagem Bette Sans Souci no episódio “Plastique”.
Comecemos falando de Grant Gustin, o interpreta de Barry Allen e – lógico – Flash. Gustin começou fazendo vídeos e séries-documentário. Chegou a fazer uma aparição no seriado “CSI: Miami” em 2012 no episódio “Terminal Velocity”, mas pegou seu primeiro personagem em 90210 (aqui conhecido como “Barrados no Baile”), uma refilmagem da série da década de 1990. Na série ele participou de oito episódios da quinta – e última – temporada.
Na terceira temporada de “Glee”, Gustin aparece como Sebastian Smythe, membro dos Rouxinóis da Dalton Academy. Seu personagem começa pequeno e ganha enorme importância quando revela sua sexualidade e dá em cima de Blaine Anderson (Darren Cris). Seu personagem é o grande antagonista dos New Directions da McKinley, trapaceando, fazendo ameaças. Mas sua liderança leva os Rouxinóis da Dalton serem eliminados pelos cantores da McKinley. A atuação de Gustin é fantástica, sem contar seu talento como ator.
Em 2013, Grant Gustin é apresentado como Barry Allen e as críticas são pesadas quanto sua escolha, e sua primeira aparição em Arrow somente aumentam as críticas. Quando o piloto de The Flash estreia, as críticas se amenizam e Gustin demonstra sua enorme dedicação ao personagem. A forma como Gustin trabalha tanto como o cientista forense Barry Allen ou como Flash é incrível. Ele demonstra seu talento ao drama na construção de sua busca constante para inocentar o pai, seu afeto por Iris West (Candice Patton) e carinho fraterno pelo detetive Joe West (Jesse L. Martin). Os momentos de descontração também existem e Gustin demonstra enorme capacidade para isso na sua amizade com os personagens Caitlin Snow (Danielle Panabaker), Cisco Ramon (Carlos Valdes) e Dr. Harrison Wells (Tom Cavanagh), que ele também tem grande respeito e sente traído quando descobre os segredos de Wells.
A atriz Candice Patton começou seu trabalho em 2004 na novela estadunidense “The Young and the Restless, onde participou de cinco episódios. Depois fez aparições em várias outras séries como “Entourage”, “Castle”, “Heroes”, “Greys Anatomy” e “CSI: Miami”. Em 2013, participou do elenco da série “The Game” na sexta temporada, onde permaneceu durante nove episódios.
Ao contrário de Grant Gustin, Patton somente foi apresentada ao público quando “The Flash” estreou em 2014. Mas assim que as pessoas ficaram sabendo que a namorada/noiva/esposa de Barry Allen seria uma afro-americana, novas críticas surgiram. Ignorando isso, Patton trabalhou com afinco na sua personagem e a desenvolveu de forma talentosa e bem feita, ainda mais contando com a experiência do ator Jesse L. Martin que faz o seu pai. Sua personagem cresce na medida que a série vai se desenrolando, tanto que ao final, a carga dramática dela é uma verdadeira catarse do drama que Iris West vivencia.
(EU SOU FÃ DE...) O ator Jesse L. Martin começou sua carreira fazendo uma participação na novela estadunidense “One Live To Live” em 1995. Entre 1997 e 1998 participou dos dez episódios do seriado “413 Hope St.”. Em 1998 atuou no filme “Restaurant” ao lado dos atores Adrien Brody (Predadores) e Simon Baker (da série “O Mentalista”). Na série de TV “Ally McBeal”, Martin viveu o Dr. Greg Butters durante doze episódios, entre os anos de 1998 e 1999.
No ano de 1999, na quarta temporada da série “Lei e Ordem”, Martin estreou como o detetive Ed Green, onde permaneceu durante 198 episódios. Participou de episódios das séries derivadas como os dois de “Lei e Ordem: Unidade de Vítimas Especiais” (“... Or Just Look Like One” e “Entitled”), o episódio 7 (“Poison”) de “Lei e Ordem: Crimes Premeditados”, o episódio 8 (“Skeleton”) de “Law & Order: Trial by Jury”. Seu personagem de Lei e Ordem também apareceu no quinto episódio (“The Big No Sleep”) da série “Andy Baker, P.I.”.
Jesse L. Martin começou sua carreira como ator de teatro, onde viveu o professor homossexual que tem AIDS, Tom Collins, na peça de sucesso da Broadway, Rent – Os Boêmios, que nada mais era do que um musical baseado no clássico de Puccini, La Bohème. Em 2005 a peça recebeu uma adaptação para o cinema, onde Martin reviveu seu personagem do teatro de forma fantástica e memorável. Em 2009, depois de encerrar sua participação em “Lei & Ordem”, Martin participou dos oito episódios da série “The Philanthropist”, ao lado de Jame Purefoy (Solomon Kane) e Neve Campbell (Pânico). Fez filmes como “Código de Honra” com Chris Evans (Vingadores: Era de Ultron) e “Canção do Coração” com Queen Latifah (Hairspray: Em busca da Fama) e Dolly Parton (Miss Simpatia 2: Armada e Poderosa). No episódio 6 da segunda temporada de “Smash”, Martin iniciou uma participação como Scott Nichols, que durou nove episódios.
Em 2014, Martin é anunciado como o detetive Joe West, pai de Iris West e responsável por Barry Allen. Ele foi o responsável pela investigação que levou o pai de Barry à prisão, pois não tinha provas que inocentassem o Dr. Henry Allen (John Wesley Shipp), mas é o primeiro a descobrir a identidade secreta de Barry como Flash, ajudando-o a manter o segredo e a lutar contra a série de meta-humanos que surgem após a explosão do Acelerador de Partículas. Creio que a experiência de Martin como detetive na série “Lei & Ordem” ajudaram-no bastante na construção do personagem Joe West, mas sua relação de pai e filha com a atriz Candice Patton e o afeto dele com Grant Gustin, vêm de seus anos como ator de teatro e TV. Ele demonstra uma intimidade única com os personagens, atuando de forma esplêndida e memorável, também.
Danielle Panabaker é uma atriz de participações entre vários filmes e seriados. Começou aos quinze anos fazendo uma participação no episódio seis da primeira temporada do seriado “Family Affair”. Em 2005 fez o filme para TV “Mãe aos Dezesseis”, “Super Escola de Heróis” com Kurt Russell (Velozes & Furiosos 7), Kelly Preston (Jerry Maguire: A Grande Virada) e Michael Angarano (O Reino Proibido) e “Os Seus, Os Meus e Os Nossos” com Dennis Quaid (Legião) e Rene Russo (Thor: O Mundo Sombrio). Em 2006 iniciou sua participação na série “Shark” com James Woods (Jobs), onde ficou durante os 38 episódios da série. Em 2007 fez o filme “Duelo de Gigantes” com Haley Joel Osment (O Sexto Sentido). Em 2009 participou do remake “Sexta-Feira 13” com Jared Padalecki (da série Supernatural – Sobrenatural). Em 2010, Panabaker fez o filme “A Epidemia” com Timothy Olyphant (Duro de Matar 4.0) e Radha Mitchell (Eclipse Mortal) e “Aterrozizada” do diretor John Carpenter (Fuga de Los Angeles).
Em 2012, Danielle Panabaker participou do trash de terror “Piranha 2”. Continuou fazendo várias aparições em seriados como “Bones”, “Mad Men: Inventando Verdades” e “Justified”, até 2014, quando foi chamada para viver a personagem Caitlin Snow no episódio “The Man Under The Hood” do seriado Arrow, em 2014. Logo em seguida estreou a mesma personagem no seriado The Flash. Como a bioengenheira Caitlin Snow, Panabaker vive o drama de ter perdido o noivo Ronnie Raymond (Robbie Amell) no acidente do Acelerador de Partículas dos Laboratórios STAR. Ela começa bem... fria, mas com o tempo e convivendo com Barry, ela começa a se abrir mais. Panabaker mostra que pode ser uma atriz fantástica, pois cria um equilíbrio entre a força da personagem e seu drama pessoal. Ela tem um crescimento constante na série, sempre mantendo uma medida mais do que satisfatória na sua interpretação.
Carlos Valdés iniciou sua carreira como ator no seriado “Arrow”, no mesmo episódio em que Danielle Panabaker aparece (The Man Under The Hood). Antes disso ele participou da comédia musical “Me and My Dick” como compositor e músico.
Ele é o alívio cômico da série como Cisco Ramón, criando nomes para os vilões meta-humanos da série. Mas não é somente a isso que o personagem se prende, pois existe um lado que as pessoas desconhecem dele, que vai sendo mostrado no desenrolar da série. Principalmente quando acontecimentos ligados a ele e o Dr. Harrison Wells modificam sua impressão do doutor, a quem ele é totalmente fiel. Seu personagem também demonstra enorme inteligência, principalmente no sentido de engenharia. Ele é o responsável pela criação do uniforme do Flash, pelas armas do Capitão Frio (Wentworth Miller), Onda Térmica (Dominc Purcell) e Patinadora Dourada (Peyton List), e por vários artefatos com os quais Flash enfrenta seus inimigos. O personagem de Valdés também possui seu pior inimigo, o Flautista (Andy Mientus).
Carlos Valdés é um daqueles atores que cresceu na série à medida que a personalidade do seu personagem crescia, mas sem nunca esmorecer ou perder espaço para outros atores mais experientes.
Tom Cavanagh é outro ator de grande experiência. Canadense, ele começou sua carreira em 1991 no drama “White Light”. Seu primeiro trabalho com mais destaque foi no filme “Máscara da Vingança”, em 1996. Depois disso, participou de vários filmes e seriados, até 1999 quando participou de oito episódios da série dramática “Providence” como Doug Boyce.
Em 2000, Cavanagh protagoniza a própria série, “Ed”. Essa comédia dramática era produzida pelo apresentador de TV David Letterman e durou quatro temporadas. Cavanagh vivia o advogado Ed Stevens que perde o emprego e no mesmo dia descobre que a esposa dorme com um carteiro. Com uma bolada nas mãos, devido a um erro dos Recursos Humanos da empresa em que trabalhava, Ed decide retornar a sua cidade natal em Ohio e reencontra um amor da adolescência. No intuito de reconquistá-la, ele se fixa na cidade, compra uma pista de boliche e constrói um escritório de advocacia.
Em 2002, fez aparições na série “Scrubs” como Dan Dorian, e no decorrer da série fez várias participações até 2007.
Em 2006, Tom Cavanagh estrela a série “Love Monkey” de oito episódios, ao lado de Judy Greer (Planeta dos Macacos: O Confronto), Larenz Tate (Crash: No Limite) e Jason Priestley (Barrados no Baile). Ele também participa dos filmes “Duas Semanas” com Sally Field (O Espetacular Homem-Aranha 2) e Ben Chaplin (O Retrato de Dorian Gray), “Zoando na Escola” e “A Garota dos Meus Sonhos” com Heather Graham (Se Bebers, Não Case!), Bridget Moynahan (Eu, Robô) e Molly Shannon (Máfia no Divã).
Em 2008, depois de participar de alguns filmes, participou de oito episódios da série “Eli Stone”, fazendo o pai do personagem-título que era vivido por Jonny Lee Miller (da série Elementary). Nessa série, além de trabalhar ao lado do ator Matt Letscher, que viria a ser Eobart Thawne no seriado “The Flash”, foi o primeiro contato de Cavanagh com o produtor Greg Berlanti.
Em 2009 estrelou a série “Confie em Mim” ao lado do ator Eric McCormack (Will & Grace), tendo Monica Potter (Parenthood: Uma História de Família) e Sarah Clarke (A Saga Crepúsculo) no elenco. Essa somente durou 13 episódios.
Em 2010, Cavanagh fez o personagem Guarda Smith em “Zé Colméia – O Filme” ao lado de Anna Faris (O Ditador) e tendo Dan Aykroyd (Os Caça-Fantasmas) e Justin Timberlake (Aposta Máxima) fazendo as vozes de Zé Colméia e Catatau, respectivamente.
Em 2011, participou de sete episódios da segunda temporada da série “Royal Pains” como Jack O’Malley. Depois de mais algumas participações pequenas em seriados e filmes, Cavanagh participou em 2014 de quatro episódios da segunda temporada da série The Following como Kingston Tanner. Mas foi em outubro do mesmo ano que ele começou sua participação em The Flash, vivendo o Dr. Harrison Wells, proprietário pelo Laboratórios STAR e pelo primeiro Acelerador de Partículas de Central City.
A experiência de Tom Cavanagh se mostra digna no desenvolvimento de seu personagem que possui uma tripla personalidade. Ele é o Dr. Harrison Wells, mas também é Eobard Thawne e Flash Reverso. O personagem de Cavanagh cria um laço de amizade com seu pior inimigo, mas por vezes tenta destruí-lo. Quando o vimos, pela primeira vez, deixando sua cadeira, sabemos que existia algo mais com o personagem. Especulações surgiram de que ele seria o Flash Reverso, mas também existiram pessoas que acreditavam que ele era o viajante no tempo Rip Hunter (Arthur Darvill). Quando se revelou que era o Flash Reverso e mais à frente que Eobard Thawne havia matado a esposa do Dr. Wells e ele, tomando seu lugar graças a uma máquina que faz transferência de DNA.
O talento de Tom Cavanagh é notado em todas as demonstrações de nuances dos seus três personagens. Era necessário um ator com o talento dele para realizar tal trabalho.
O ator australiano Rick Cosnett, como muitos de seus colegas de cena, começou a carreira há pouco tempo. Em 2004, participou de oito episódios da série-documentário Forensic Investigators. De 2005 a 2013, participou de vários seriados e curta-metragens, dentre eles “The Elephant in the Room” de 2010, que ele co-escreveu, co-produziu e atuou.
Em 2013, no episódio dois da quinta temporada de “Diários de Um Vampiro”, Cosnett apareceu como o Dr. Wes Maxfield, onde ficou até o episódio quinze, fazendo aparições em vários episódios.
Em 2014, junto com todo o elenco principal, apareceu no piloto de “The Flash” como o Detetive Eddie Thawne, onde permaneceu até o final da temporada, quando fez o sacrifício máximo.
Quando o ator Rick Cosnett surgiu em cena, no primeiro episódio, achava que seria um personagem no qual o mais importante seria sua transformação em Flash Reverso, devido ao seu sobrenome. Mas na medida que acompanhei o personagem e seu desenvolvimento na série, percebi sua importância maior para a trama e, o mais importante, ele não era o Flash Reverso, mas seu ancestral, ou seja, sua participação tinha uma relevância ainda maior para a série e o antagonista do Flash.
Rick Cosnett demonstrou ser mais um ator que abrilhantou o elenco extenso do seriado The Flash.
Esse, desde o começo da série, era o elenco central de toda a trama. Mas com o desenrolar dela, outros surgiram, como – e principalmente – John Wesley Shipp.


Shipp é muito conhecido pelos fãs de super-heróis por ter protagonizado o primeiro seriado live-action do Flash que somente durou somente uma temporada, entre os anos de 1990 e 1991. Mas ele também, em 1990, fez o filme “A História Sem Fim 2”. Em 1994, na quinta temporada da série “Sisters”, Shipp participou de dez episódios como o personagem Lucky Williams. Já em 1998, atuou na série Dawson Creek como Mitch Leary, pai do protagonista Dawson Leery (James Van Der Beek). Foram 83 episódios com suas aparições.
Em 2005, John Wesley Shipp fez cinco episódios da série Palmetto Pointe como Michael Jones. Fez vários filmes pequenos e curtas, mas teve uma participação muito especial na animação “Batman – Os Bravos e os Destemidos”, em 2010, no episódio quinze da segunda temporada, intitulado “Réquiem para um Velocista Escarlate” fazendo a voz do vilão Professor Zoom. Em 2012, participou de três episódios da segunda temporada de “Teen Wolf” como Sr. Lahey.
Seu surgimento como o Dr. Henry Allen, pai de Barry Allen, foi um presente aos fãs, que ficaram muito felizes com sua participação em sete episódios-chaves da série, dentre eles o episódio final da primeira temporada. John Wesley Shipp, além de muito querido pelos fãs, demonstrou todo seu apoio à série, algo que, para outros, pareceu muito importante.
Outro ator que se tornou importante para a série foi Robbie Amell, que vive o engenheiro estrutural Ronnie Raymond. Amell é primo do ator Stephen Amell, que interpreta Oliver Queen e o Arqueiro.
Robbie Amell fez sua primeira aparição no filme Doze é Demais 2, vivendo o personagem Daniel Murtaugh, um dos filhos de Jimmy Murtaugh (Eugene Levy), rival de Tom Baker (Steve Martin). Depois, entre os anos de 2006 e 2008, participou de dezessete episódios de “Minha Vida com Derek” como Max.
Entre os anos de 2008 e 2011, Robbie Amell interpretou o personagem Jimmy Madigan no seriado adolescente “True Jackson”. Em 2009 e 2010, Amell fez Fred Jones nos filmes para TV “Scooby-Doo! O Mistério Começa” e “Scooby-Doo e a Maldição do Monstro do Lago”.
Entre 2011 e 2012, atuou em quatro episódios da série “Revenge” como Adam Connor. Ainda em 2012, fez o jovem Ray Archer na série Alcatraz.
Em 2013, Amell interpretou D.B. em sete episódios da série “1600 Penn” e esteve em oito dos doze episódios da série-comédia “Zach Stone Is Gonna Be Famous”. Ainda em 2013, estreou o seriado “The Tomorrow People” como Stephen Jameson, um jovem com poderes de teletransporte, telepatia e com a capacidade de parar o tempo, perseguido por uma organização que deseja destruir a ele e seus iguais, o Povo do Amanhã.
Sua primeira participação no seriado “The Flash” ocorreu no episódio 3, “Things You Can’t Outrun”. Foi breve, mas teve um significado para iniciar o drama do personagem. Robbie Amell não tem uma autuação comparável como dos outros atores, mas também não compromete. Só que, quando aparece com sua contraparte, o Dr. Martin Stein, interpretado pelo ator Victor Garber, ele desaparece.


Falando no ator Victor Garber, sua carreira é quilométrica, em geral como ator coadjuvante. Mas sua carreira se iniciou em 1973 no filme “Gospell – A Esperança” como Jesus. Fez vários filmes para o cinema e para a TV, além de participações em séries de TV. Mas isso não diminui sua atuação, pelo contrário, só demonstra o tamanho da experiência do ator e que, mesmo com papéis pequenos, ele tem grande empenho em seus trabalhos. Victor Garber somente engrandece o elenco que já têm bons atores, como Clancy Brown.
Brown é outro ator de carreira extensa no cinema, sempre em papéis coadjuvantes, mas marcantes. Sua atuação sempre é visceral, como podemos ver no filme “Highlander – O Guerreiro Imortal” onde ele vive o imortal Kurgan, inimigo mortal de Connor MacLeod (Christopher Lambert). Tanto em filmes, como em séries, Clancy Brown demonstra um enorme empenho pelos seus personagens, como nos sete episódios da quarta temporada de “Plantão Médico” como Dr. Ellis West e no seriado “Carnivale” onde interpretou o Irmão Justin Crowe.
Desde o começo da participação de Lex Luthor nos desenhos “Superman – A Série Animada”, “Liga da Justiça” e “Liga da Justiça Sem Limites”, Clancy Brown vinha fazendo a voz do antagonista do Superman nas animações.
Em 2013, Brown viveu o xerife August Corbin em cinco episódios da primeira temporada de “Sleepy Hollow”.
Em “The Flash”, Clancy Brown vem interpretando o general Wade Eiling, um militar sem escrúpulos e que vive participando de projetos suspeitos para o governo, entre eles o que torna o gorila Grodd em uma ameaça psíquica.
Outros vilões como os interpretados por Brown e Cavanagh também ganham muita importância, dentre eles o Capitão Frio que é interpretado pelo ator Wentworth Miller.
Miller começou a carreira no seriado “Buffy: A Caça-Vampiros” no episódio vinte da segunda temporada. Fez várias aparições em séries e filmes, como “Anjos da Noite” de 2003 e “Stealth” de 2005, mas foi no seriado “Prison Break” que Miller chegou a ascensão como ator. Interpretando o personagem Michael Scofield, ele decide libertar o irmão Lincoln Burrows, interpretado pelo ator Dominic Purcell, mas para isso precisa ser preso. Como técnico de prisões, tatua no corpo uma forma de fugir da prisão e quando conseguem, decidem inocentar o irmão, que fora preso injustamente.
Wentworth Miller ainda interpretou o personagem Chris Redfield no filme “Resident Evil 4: Recomeço”. Em 2013, ele fez a voz do personagem Slade Wilson/Exterminador na animação “Justiça Jovem”. Seu talento em interpretar um personagem irônico como o Capitão Frio em “The Flash” lhe rendeu, ainda, a possibilidade de viver o personagem no spin off “Legends of Tomorrow”, onde se unirá a outros heróis para encarar o vilão Vandal Savage.
O já citado Dominic Purcell não é um excelente ator, mas como Robbie Amell, também não compromete nas suas aparições.
A carreira de Purcell começou em 1991 na novela “Home and Away”, onde interpretou Constable Rogers. Purcell fez vários filmes e seriados, como “Missão: Impossível 2” em 2000, “Equilibrium” em 2002, John Doe na série homônima entre 2002 e 2003, “Blade: Trinity” em 2004, “Prison Brake” entre os anos de 2005 e 2009, “Primitivo” em 2007, “Renascido das Trevas” em 2009, “Os Especialistas” e “Sob o Domínio do Medo” em 2011. Entre 2012 e 2014, continuou fazendo outros filmes menores, até que foi chamado para viver Mick Rory, o Onda Térmica, no seriado “The Flash”. Ele estará com Wentworth Miller e outros atores na série “Legends of Tomorrow”.

CONCLUSÃO
“The Flash” é a melhor série televisiva de todos os tempos (não posso considerar “Daredevil” televisiva, pois é somente transmitida na plataforma Netflix). Um elenco bem entrosado, ótimas atuações, cenas bem feitas e coerentes, ótimos efeitos especiais e um grande respeito aos fãs de quadrinhos e de super-heróis, principalmente aos fãs do Flash. Como mencionei acima, haverá uma segunda temporada e vários rumores já correm a respeito do que acontecerá.
Mas o mais importante é que Flash entre de séries nas quais tem muito o que acrescentar ao Universo Televisivo DC, pois ao apresentar o impossível, “The Flash” traz várias coisas possíveis de se ver. Contando os meses para o começo da segunda temporada e que outubro chegue logo!