Translate

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

RESENHA OVERDOSE HQ: Justiceiro: 6 Horas Para Matar

Publicado no grupo Overdose HQ em 31/10/2014.

RESENHA OVERDOSE HQ:

Justiceiro: 6 Horas Para Matar
Título original: Punisher: six hour to kill.
Data de publicação: 2009 (BR: 2011)
Editora: Marvel MAX (BR: Panini Books)
Roteiro: Duane Swierczynski
Arte: Michel LaCombe
Pág.: 124

Frank Castle vai a Filadélfia desbaratar um grupo que faz tráfico de crianças. Após derrubar a casa, termina sequestrado e lhe é injetado uma droga que o matará em seis horas, caso ele não cumpra a missão que lhe foi incumbida, matar o principal responsável pelo tráfico infantil, mas ao invés disso, decide usar essas últimas horas para chacinar o maior número de chefões que Filadélfia possui, desencadeando uma verdadeira caçada mortal a ele.
Mais um encadernado de uma série de encadernados que a Panini Books lançou do Justiceiro na linha MAX da Marvel Comics. Dessa vez o roteiro da história é do romancista, natural da Filadélfia, Duane Swierczynski (This Here's A Stick-Up: The Big Bad Book Of American Bank Robbery) e a arte ficou por conta do desenhista canadense Michel LaCombe (Star Wars: Rebellion).
Quando iniciei a leitura desse encadernado, me veio a memória o filme "Adrenalina" com Jason Statham, onde o personagem de Statham e envenenado e precisa correr contra o tempo para conseguir a cura, além de manter a adrenalina alta, para não sucumbir ao veneno. A diferença é que o Justiceiro não tem essa opção, tendo somente seis horas para cometer um assassinato encomendado. Mas depois de 30 anos de perseguir os mafiosos e criminosos dos Estados Unidos, Castle decide se entregar, mas não antes de matar vários chefões do crime.
O problema é que, ao desbaratar a rede de tráfico infantil, ele bate de frente com os poderosos da Filadélfia que o querem morto de qualquer jeito. Então, além de correr para matar os chefões antes de morrer envenenado, Castle precisa fugir das pessoas que o querem morto. Chega a ser irônico, para não ser trágico.
A história é muito boa, com um desenho de primeira (o melhor é a cara arrebentada e cheia de hematomas do Justiceiro).
Para os colecionadores do primeiro anti-herói do quadrinhos, essa história é indispensável... Ah, e novamente a arte das capas ficam pelo mais brilhante capista de todos os tempo, Dave Johnson (100 Balas), que da interpretações únicas em alguns detalhes.Justiceiro_6-horas-para-matar