Translate

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Hércules: Os Doze Trabalhos (5/5)

Publicado no grupo Revista Mundo dos Super-Heróis em 22/07/2014.

11. Cérbero, o cão do Inferno. Depois Euristeu mandou Héracles ao Inferno para trazer-lhe Cérbero. Antes de partir o herói fez-se iniciar nos mistérios de Elêusis, para saber como poderia descer com segurança ao mundo do mortos. Numa das versões da lenda ele teria feito a viagem a partir de um local chamado "Boca do Inferno", situado nas proximidades de Herácleia do Ponto. Em outra versão o herói teria ido pelo do cabo Tênaro, na Lacônia. Ao vê-lo em seu reino os mortos se apavoraram e fugiram à exceção de Mêdusa e Melêagro. Héracles chegou a desembainhar a espada contra Mêdusa, mas desistiu de atacá-la quando Hermes, seu guia na viagem, lembrou-lhe que se tratava de um simples fantasma. Melêagro comoveu-o a tal ponto contando-lhe de sua vida que ele chorou, e perguntando-lhe se ainda existia alguma de suas irmãs; em face da resposta no sentido de que Dejanira continuava viva, Héracles, atendendo a um pedido de Melêagro, prometeu casar-se com ela.
hercules-trailer-2Continuando a caminhar pelo Inferno ele encontrou Teseu e Pirítoo, que embora estivessem vivos foram acorrentados por Hades porque pretendiam raptar Perséfone. Com o consentimento desta última Héracles libertou Teseu, enquanto Pirítoo foi condenado a permanecer no Inferno como castigo por sua ousadia. Depois Héracles libertou Ascálafo, aprisionado sob um rochedo enorme.
Héracles soube que os mortos, se pudessem beber sangue, recuperariam parcialmente a vida. Querendo ajudá-los, o herói resolveu matar alguns bois retirados do rebanho de Hades. Diante da oposição de Menoites, pastor desses rebanhos, Héracles apertou-o em seus braços e quebrou-lhe várias costelas, e se não fosse a intervenção de Perséfone ter-lo-ia . Após essas façanhas preliminares Héracles chegou à presença de Hades e pediu permissão para levar Cérbero consigo. Hades aquiesceu, impondo-lhe porém a condição de dominar o terrível animal sem se valer de suas armas, usando simplesmente sua couraça e a pele do leão de Neméia. O herói atacou o cão, segurou-o pelo pescoço com uma das mãos, e apesar de picado pelo ferrão existente na extremidade da cauda do monstro dominou-o completamente. Héracles voltou então ao mundo do vivos trazendo Cérbero. Vendo o cão, Euristeu apavorou-se e escondeu-se novamente no vaso que lhe servia de abrigo em situações de extremo perigo. Sem saber o que fazer com Cérbero, Héracles levou-o de volta a Hades, seu dono.
hesperides12. Os Pomos de Ouro das Hespérides. Finalmente Euristeu impôs a Héracles que lhe trouxesse os pomos de ouro do jardim das Hespérides, situado no nordeste da Líbia ou no sopé do monte Atlas, ou ainda no território dos Hiperbóreos. Esses pomos tinham sidos dados por Gaia (a Terra) a Hera como presente por ocasião de seu casamento com Zeus. Maravilhada com a beleza dos pomos, Hera mandou plantá-los em seu jardim junto ao monte Atlas (na Líbia); as filhas de Atlas, entretanto, vinham roubar os pomos, e Hera resolveu por como guardião junto à árvore que os produzia um dragão de cem cabeças, filho de Êquidna e de Tífon, chamado Ládon. Além do dragão a deusa incumbiu de proteger a árvore três ninfas do Poente - as Hespérides -, chamadas Aigle, Eríteia e Hesperarêtusa (respectivamente "Brilhante", "Vermelha" e "Aretusa do Poente"), filha de Nix (a Noite) e de Érebo.
Querendo saber como se chegava ao jardim das Hespérides, Héracles viajou em direção ao norte, atravessando a Macedônia. No caminho ele deparou com Cicno, filho de Ares, junto ao rio Equêdoro, e o matou. Em seguida chegou às margens do Erídano, na Ilíria, onde viviam em uma caverna as ninfas do rio, filhas de Zeus e de Têmis. Interrogando-as, o herói ficou sabendo que somente Nereu, o deus marinho, poderia dar-lhe a informação desejada. Levado pelas ninfas ao esconderijo de Nereu, Héracles encontrou-o adormecido, agarrou-o firmemente e apesar de suas metamorfoses somente o soltou quando ouviu dele a informação desejada. De posse dessa indicação Héracles chegou ao jardim das Hespérides, matou o dragão Ládon (ou fê-lo cair em um sono profundo) e se apossou dos pomos de ouro. Desesperadas por causa da perda dos frutos sob sua guarda, as Hespérides transformaram-se em árvores, a cuja sombra repousaram mais tarde os Argonautas quando passaram por lá durante sua expedição à Cólquida. O dragão passou a ser a constelação da Serpente.
Noutra versão da lenda, seguindo um itinerário incoerente Héracles foi das margens do rio Erídano para a Líbia, onde lutou contra o gigante Anteu; depois percorreu o Egito, onde escapou por pouco de ser sacrificado por Búsiris, do Egito encaminhou-se para a Ásia, e na Árabia matou Ematíon, filho de Titono; saindo de lá percorreu a Líbia até o chamado Mar Exterior (o oceano Atlântico), embarcando em seguida na Bacia de Hélios (o Sol), chegando ao sopé do Cáucaso, no lado oposto do mundo. Galgando o Cáucaso o herói libertou Prometeu, cujo fígado sempre renovado uma águia devorava incessantemente. Querendo testemunhar sua gratidão, Prometeu deu-lhe instruções para não colher pessoalmente os frutos prodigiosos, deixando esse encargo a Atlas. Prosseguindo, Héracles chegou finalmente ao território dos Hiperbóreos, onde foi ao encontro de Atlas, que sustentava o céu sobre seus ombros. O herói ofereceu-se para substituí-lo enquanto o gigante fosse colher três pomos de ouro no jardim das Hespérides, situado nas proximidades. Atlas concordou, mas ao voltar com os pomos disse a Héracles que ele mesmo iria entregá-los a Euristeu; nesse ínterim o herói continuaria suportando o peso do céu. Héracles fingiu aceitar a proposta, pedido entretanto a Atlas que o substituísse por um momento, enquanto punha uma almofada nos ombros. Atlas aquiesceu ingenuamente, e Héracles, livre do peso, apoderou-se dos pomos deixados por Atlas no chão e fugiu.
Em ambas as versões da lenda, de posse dos pomos Héracles empreendeu a viagem de volta para entregá-los a Euristeu. Este, sem saber o que fazer com eles, devolveu-os ao herói, que por sua vez os deu a Atena, sua protetora. A deusa, ciente de que os pomos somente podiam crescer no jardim das Hespérides, levou-os de volta às suas guardiãs.