Translate

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Hércules: Os Doze Trabalhos (1/5)

Publicado no grupo Revista Mundo dos Super-Heróis em 20/07/2014.

Os doze trabalhos são façanhas realizadas por Héracles a serviço de seu primo Euristeu. O herói submeteu-se a esse período de servidão para expiar os assassínios cometidos durante o acesso de loucura provocado por Hera. Em seguida à mortandade Héracles foi a Delfos consultar o oráculo de Apolo, e o deus lhe ordenou por meio de Pítia que passasse a servir a Euristeu durante doze anos. Apolo prometeu-lhe a imortalidade após essa provação (em outra versão da lenda a promessa teria sido feita por Atena).
Leão de Neméia1. O Leão de Neméia era um monstro invulnerável filho de Ortro (filho de Tífon) e de Êquidna, e irmão da Esfinge; trazido para a região que devastava por Hera (ou por Selene (a Lua)), lá ele devorava os habitantes e seus rebanhos. Depois de tentar inutilmente atingí-lo com suas flechas, Héracles forçou-o com o bordão a entrar em sua caverna. Em seguida o herói segurou-o pelo pescoço com seus braços e o estrangulou. Após a morte do leão Héracles o esfolou e passou a recobrir-se com sua pele, enquanto sua cabeça lhe servia de capacete. Contava-se que quando quis esfolar o leão o herói descobriu que somente as próprias garras da fera podiam cortar-lhe a pele, resistente até ao ferro da sua espada afiadíssima.
Durante a caçada Héracles encontrou-se com Molorco, um camponês que vivia nos arredores de Neméia, cujo filho fora devorado pelo leão. Molorco hospedou-o bondosamente por ocasião de sua chegada à região, e quis homenagear seu hóspede sacrificando um carneiro, o único bem que possuía. Héracles dissuadiu-o dessa ideia, pedindo-lhe que esperasse trinta dias para matar o animal; se passado os trinta dias ele não voltasse, Molorco poderia considerá-lo morto e sacrificar o carneiro em sua intenção, mas se antes de findar o prazo ele regressasse trazendo o leão, o sacrifício seria a Zeus salvador. No trigésimo dia o herói não tinha reaparecido; imaginando que ele morrera, Molorco já iniciava os preparativos para sacrificar o carneiro em honra a Héracles; pouco antes da consumação do sacrifício surgiu o herói, já recoberto com a pele do leão. Molorco imolou então o carneiro a Zeus salvador, e no exato lugar do sacrifício Heraclés instituiu os Jogos Nemeus em honra a Zeus. Héracles levou a pele do leão para Micenas, e Euristeu, com receio do herói que fora capaz de matar aquela fera monstruosa, não permitiu a sua entrada na cidade, dando-lhe ordens para deixar os despojos obtidos naquele e nos trabalhos futuros diante das portas fechadas a ele. Para perpetuar a memória da façanha de Héracles, Zeus transformou o leão de Neméia numa constelação.
hidra de lerna2. A Hidra de Lerna. Filha de Êquidna (à semelhança do leão de Neméia) e de Tífon, imaginada por Hera para por à prova a coragem de Héracles. Era uma criatura monstruosa, em forma de serpente com muitas cabeças, as vezes humanas, cujo número variava de cinco até cem, dependendo das fontes. Seu hálito era mortal para quem se aproximasse dela. Para combater a Hidra, que também destruía os rebanhos e as colheitas da região, Héracles usou flechas flamejantes, ou, segundo uma variante da lenda, cortou suas cabeças com uma espada curta ajudado pelo seu sobrinho Iolau. Mas as cabeças renasciam a proporção que eram decepadas, e para evitar seu renascimento o herói pediu a Iolau que incendiasse uma floresta vizinha,de onde o sobrinho lhe trazia tições para cauterizar o lugar do corte, impedindo assim a renovação. A cabeça principal era praticamente imortal, mas Héracles decepou-a e enterrou-a, pondo por cima dela um rochedo enorme.Depois de eliminar a Hidra dessa maneira Héracles molhou as pontas de suas flechas no sangue venenoso do monstro. Para ajudar a Hidra Hera mandou contra o herói um caranguejo gigantesco, que mordeu o pé de Héracles, mas este o esmagou. Euristeu não levou em conta a realização desde trabalho porque o herói recebeu a ajuda de Iolau. <continua>