Translate

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Eis que surge o Robin…



Postado no blog Gothamita em 03/06/2009
Em 1940, o Batman era o milionário Bruce Wayne, que se vestia de morcego, portava uma arma e pouco se importava com a vida humana, as vezes levando seu vigilantismo ao extremo, ou melhor, matava os bandidos.
Na intenção de dar-lhe mais humanidade e fazê-lo mais ameno – além de atrair um público mais jovem, que não podia ler suas revistas – Bob Kane se uniu a Bill Finger e criaram um parceiro adolescente para o Batman.
Mas como fazer essa história parecer interessante? Eles decidiram pelo trauma novamente. Um circo chega a Gotham City (apelido que Nova Iorque ganhou no século XIX pelo escritor Washigton Irving na revista Salmagundi) e nele vivem os Grayson’s Voadores (Flying Grayson’s), acrobatas incríveis, que não usam rede de proteção durante suas apresentações. O filho dos Grayson, Richard, é um prodígio como acrobata. Na noite de estréia do circo na cidade, um mafioso conhecido como Tony Zucco exige de suborno do dono do circo e se não pagar, um “acidente” poderia acontecer. Com todos os riscos previstos, o dono do circo não aceita a chantagem, então como vingança, Zucco sabota o trapézio.
Toda a apresentação decorre normalmente, tendo até Bruce Wayne na platéia, assistindo a tudo. Então eis que entram os Grayson e sobem ao trapézio, sem saber dos danos. Quando a mãe e o pai de Dick (apelido do garoto) decidem fazer uma elaborada acrobacia, o pior acontece e eles tombam do trapézio, tendo o próprio filho e Bruce Wayne, como testemunhas.
Vendo no garoto o reflexo de uma tragédia, Burce toma o ato altruista de tutelá-lo. Então leva Dick até a Mansão Wayne, sua morada e lá revela ao garoto que é o Batman e que o ajudaria a prender o criminoso que cometera o crime contra seus pais. Bruce o leva até a Batcaverna e faz com que Dick faça um juramento, de combater a justiça, sem tomar a vida de ninguém. Então lhe dá uma máscara, para ele usar com seu traje de acrobata, assim nasce o Robin.
O nome Robin, foi justificado tanto por Bob Kane quanto por Bill Finger. Ambos disseram que se basearam no tordo americano (american robin), um pássaro de penugem avermelhada no tórax, além de Robin Hood, o “príncipe” dos ladrões, que roubava dos ricos em favor dos menos afortunados. Alguns chegaram a alegar que Kane e Finger criaram um alvo vivo, já que Batman sendo um vigilante notívago, seria complicado carregar um menino que trajava roupas vermelha e verde, com uma capa amarela. Mas a personagem ultrapassou as expectativas, conquistando um público cativo.
A dupla dinâmica (um dos vários nome que ganharam) combateram vários vilões juntos, até que em 1954 surgiu o livro “Sedução do Inocente”, escrito pelo psicólogo alemão Fredric Wertham.
No livro, Wertham criticava seriamente o método de ação do dito super-heróis e os elementos contidos nas revistas, mas pegou mais pesado com Batman e Robin, chegando a alegar que ambos mantinham uma relação homossexual, e a Mulher-Maravilha, criada pelo também psicólogo William Mounton Marston, em 1941, dizendo que ela e suas irmãs viviam uma vida lesbiana. O livro foi uma grande bomba no universo dos quadrinhos, que estava em total crescimento.
Editoras fecharam e foi criado o Comics Code Autorithy, um tipo de censura criada para dizer o que podia ou não ser publicado. Com isso, Batman e Robin perderam um pouco o rumo de suas histórias.
Na intenção de parar um pouco com as alegações de Wertham, Bob Kane e Sheldon Moldolf criaram “companheiras” para a dlupa dinâmica. Kathy Kane é Bat-Woman, uma milionária que decide vestir uma capa e colocar uma máscara e combater o crime, ao lado de sua inspiração, o Batman. Assim sua sobrinha, Betty Kane se torna a Bat-Girl, em inspiração ao Robin.
Numa crescente intenção de mudar a vida do Batman e do Robin, fazem com que ambos viajem pelo espaço, além de visitar outras dimensões e numa dessas visitas surge o Batmirim (Batmite, em inglês), um ser diminuto que é fã do Batman e tenta sempre ajudá-lo, mas termina sempre se metendo em confusão. E como era uma época de super-heróis adotarem animais como coadjuvantes, é criado Ás, o Bat-cão (Ace, the Bathound, em inglês).
Todos foram tentativas inuteis, que só deram histórias tolas e sem sentido para a dupla dinâmica.
Então surge a década de 1960 e com ela a série televisiva Batman & Robin. Batman era interpretado pelo barrigudo Adam West e Robin pelo “nem tão adolescente” Burt Ward. Os trajes de ambos eram verdadeiras aberrações. Robin de Ward, por exemplo, usa meias calças e tinha o costume de ficar repetindo “Santa” alguma coisa. A série durou o suficiente para voltarem com as alegações de homossexualismo entre os combatentes do crime. Foi então que, na década de 1970, Batman caiu nas mãos dos respeitadíssimos Denny (ou Dennis) O´Neil e Neal Adams.
Eles reformularam o universo do morcego, enviando Dick para a Universidade Hudson, levando Bruce para o centro de Gotham, onde ele moraria numa cobertura e colocando onde um morcego deve viver, à noite.
Nisso Dick já fazia parte de um grupo de heróis adolescente, a Turma Titã. O grupo surgiu em 1964, da união dos side-kicks Robin, Kid Flash e Aqualad para combater o Sr. Tormenta. O grupo se ampliou com a entrada de outros side-kicks, Moça-Maravilha (Wonder Girl) e Ricardito (Speedy). Eles se encontravam esporadicamente e começaram a ampliar com a entrada de Aquamoça Aquagirl), namorada de Aqualad, o psiquica Lilith Clay e Mal Duncan, que mais tarde viria a se tornar o Aráuto (Hornblower). Veio a fazer parte do grupo o Rapaz-Fera (Beast Boy), membro da Patrulha do Destino (Doom Patrol), que depois se tornou membro fixo, hoje conhecido como Mutano (Changeling).
Com o sucesso da Turmã Titã, que agora se chamava Novos Titãs, surge os Tiãs da Costa Oeste, formados pela jovem Betty Kane, que agora adotara o no de Flamejante (Flamebird), Águia Dourada (Golden Eagle), os irmãos Rapina e Columba (Hawk and Dove), Lilith e Duela Dent, a filha do Coringa.
Os Novos Titãs tiveram membros memoráveis e duradouros, na maioria das vezes sobre a liderança do Robin. Alguns só duraram duas edições, como Gnaark, outro chegaram a se casar, como Mal Duncan e Karen Beecher, a Abelha (Bumblebee), outros chegaram a trair os Novos titãs, como Terra.
Quando os Novos Titãs ganharam a formação de Robin, Moça-Maravilha, Kid Flash, Mutano, Cyborg, Estelar (Starfire) e Ravena (Raven), ganharam também ótimas histórias nas mãos de Marv Wolfman e George Pérez. As histórias se preocupavam com o conceito do adolescente da década de 1980, falando sobre sexo, drogas, gangues, além de enfrentarem os mais diversificados super-vilões, como Doutor Luz (Dr. Light),  a Irmandade Negra (Brotherhood of Evil), o Irmão Sangue e a Colméia. Foi com a Colméia que surgiu a personagem que seria o maior inimigo dos Novos Titãs, o Exterminador (Deathstroke the Terminator).
Após a morte de seu filho, o Devastador (Ravager), Slade Wilson decide se vingar do Novos Titãs, culpando-os pelo caso. Então inflitra a jovem Donna Markov, a Terra, no grupo. Ela analisa e estuda cada herói, mostrando seus pontos fracos, dando a chance a Slade de capturá-los. Nessa época, Bruce adotara o jovem acrobata Jason Todd, que sofrera uma perda igual a de Dick. Assim sendo, Jason se tornava um novo Robin, fazendo com que Dick criasse uma nova identidade,  Asa Noturna.
Jason, por ter uma origem muito parecida com a de Dick Grayson, precisou ser reformulado. Após a grandiosa saga Crise nas Infinitas Terras, escrita por Marv Wolfman e desenhada por George Pérez, Jerry Ordway e artefinalizada por Mike DeCarlo e Dick Giordano, onde todos os grandes personagens tiveram suas histórias revistas, Jason ganhou uma grande reformulação. De garoto acrobata, Jason Todd se tornou um marginal nas ruas de Gotham que decide desafiar todas as chances ao roubar as rodas do Batmóvel.
O pai do garoto havia sido capanga do Duas-Caras (Two Faces), inimigo do Batman que tem metade do rosto deformado e o deixara orfão. Jason tentava sobreviver da melhor maneira que podia, na maioria das vezes como ladrão. Só que diferente do Dick Grayson, é o Batman que leva o menino até a Batcaverna, e não Bruce Wayne. Assim ele revela o seu segredo para o garoto e o treina no combate ao crime. Só que Jason é muito cabeça quente e tem dificuldades em obedecer as ordens que Bruce lhe dá, quase causando a própria morte quando ambos enfrentam o Chapeleiro Maluco. A história parecia uma prévia para o que viria a acontecer.
No final dos anos de 1980, a editora DC Comics decide criar uma história que viria a culminar em algo histórico. Morte em Família (Batman: A Death in the Family), escrita por Jim Starlin e desenhada por Jim Aparo, seria a derrocada de Jason Todd. Poucos – no Brasil – sabem dos motivos de quererem matar o garoto, mas em uma edição dos quadrinhos do Batman, o garoto deixa um bandido morrer, mesmo quando Batman fala para não fazer aquilo. Isso foi o sufuciente para que todos os fãs do Robin se mobilizassem em ligações para matar o garoto.
Jason foi assassinado pelo Coringa, a golpes de pé de cabra, na Batman 429 (janeiro de 1989), e na Batman 436 (agosto de 1989),surgia Timothy Drake.
Tim (como é mais conhecido) foi uma criação do editor das revistas do Batman, o mesmo que fizera com que Dick Grayson fosse para a faculdade nos anos de 1970, Denny O’Neil. O garoto era filho de dois milionários exploradores, que passavam pouco tempo com o filho. Uma das únicas vezes que tinham feito algo junto, foi quando levaram o garoto até o circo para assistir aos Grayson’s Voadores. Timothy, como Bruce e Dick, testemunharam a morte dos pais do último. Depois daquilo eu viu o surgimento do primeiro Robin, por quem Timothy se tornou fã. Timothy, muito curioso, começou a juntar os pontos quando percebeu os novimentos deste Robin, que parciam iguais do acrobata Dick Grayson. Então quando o Batman surgiu com um novo parceiro adolescente e descobriu que um novo vigilante, Asa Noturna, estava agindo em Nova Iorque, onde Dick estudava, ele se tornou um obcecado por aquilo, indo até Dick e revelando o que descobrira, pois percebera que o Batman andava agindo bem incontrolável e sozinho, novamente.
Bruce disse não ao rapaz, mas isso não o fez desistir. Então quando o Batman saiu em missão, Timothy pegou o traje do Robin e foi atrás dele, na intenção de ajudá-lo e de certa forma foi a salvação do homem-morcego, que caira numa armadilha do Espantalho (Scarecrow), vilão que usa uma droga do medo para causar terror nas pessoas. Bruce então desenhou um novo uniforme para o rapaz, mas primeiro ele precisaria ser treinado. Então o enviou para a Paris, onde deveria ser treinado por uma antigo mestre do Bruce, só que as coisas não aconteceram como esperado e ele conheceu Lady Shiva, que o ensinou a arte do Bo. Quando retornou a Gotham, Timothy já aprendera bastante sobre artes marciais, mas seu treinamento não cessou, sendo submetido, sempre antes da patrulha, a treinamentos árduos, tantos físicos, quanto mentais. Tim se tornou um especialista em computação, chegando a enfrentar o jovem Anarquia, um garoto que usava recursos tecnológicos para prejudicar as grandes empresas. Timothy chegou a enfrentar o nêmesis do Batman, causador da morte do segundo Robin, o Coringa, vencendo-o.
Mas como sempre, a tragédia ronda a todos que se envolvem com o mundo do cavaleiro das trevas. Durante uma visita ao Caribe, os pais de Timothy são sequestrados pelo Homem-Obea. A mãe dele é morta e o pai fica em estado vegetativo. Isso, em vez de desmotivá-lo, somente o estima a continuar. Timothy se torna um pouco mais sistemático, pensando antes de fazer, estudando a tudo antes de agir. Se torna o terceiro maior detetive dos quadrinhos (ficando somente atrás de Batman e Asa Noturna) e forma sua própria equipe mirim.
Num encontro coincidente para ajudar uma jovem com poderes enigmáticos, Robin, Superboy e Impulso (Impulse) formam o Justiça Jovem (Young Justice). De cara Robin demonstra ser o mais adequado para liderança, e eles tomam o antigo esconderijo da Liga da Justiça (Justice League), como base, tendo Tornado Vermelho (Red Tornado) como orientador do grupo. Veio a fazer parte do grupo a segunda Moça-Maravilha, Flechete, Segredo (a jovem que eles ajudaram), uma versão mirim do caçador de recompensas Lobo, dentre muitos outros heróis mirins.
O pai de Timothy saiu do estado vegetativo e foi curado pelos dons curativos da Dra. Shondra Kinsolving. Começou um treinamento para voltar a andar e terminou se relacionando com sua fisioterapeuta. Quando descobriu que o filho se vestia de Robin e agia como vigilante em Gotham o proibiu terminantemente de fazer isso, abrindo vaga para o quarto Robin, Stephanie Brown, a Salteadora (Spoiler).
O Batman já havia tido uma parceira feminina, na minissérie O Cavaleiro das Trevas (The Dark Knight Returns).
A minissérie, escrita e desenhada por Frank Miller, levava-nos a um futuro onde Bruce Wayne era um velho e tinha aposentado o traje de homem-morcego, devido a uma lei de proibição de vigilantes e super-heróis, decretada pelo governo estadunidense. Percebendo o estado em que sua cidade havia chegado, Bruce decide vestir o traje novamente. Ao saber do retorno do Cavaleiros das Trevas, a jovem Carrie Kelly, confecciona um traje de “menina” prodígio e sai as ruas portando um estilingue (ou atiradreira). Ela então encontra o Batman e se torna sua parceira. Só que Stephanie Brown viria a ser diferente. Proibida de agir nas ruas de Gotham, pelo próprio Batman, Stephanie adota o uniforme na intenção de ter aprovação do cruzado encapuzado. Ele a aceita como nova Robin, mas a garota comete um erro sério ao descobrir Jogos de Guerra, elaborados pelo Batman, para caso acontecesse outro acidente como quando a cidade se tornou Terra de Ninguém, sendo exilada pelo governo estadunidense. Quando ela libera as táticas de guerra, o Máscara Negra, mafioso com um problema no qual seu rosto parece uma máscara cadavérica e negra, descobre e toma a cidade de assalto. Tentando recuperar-se, ela vai lutar contra o vilão e termina gravemente ferida. quando a Dra. Leslie Thompkins decide não socorrê-la, a jovem é dada como morta, forçando Timothy retornar ao uniforme.
Mas problemas poucos são bobagem, um vilão descobre a identidade dos heróis e começa a vendê-las, assim sendo, o Capitão Bumerangue, mas comumente visto como inimigo do super-herói Flash, vai até a casa do pai de Timothy e o mata.
Timothy, que agora era líder de uma nova formação dos Novos Titãs, tendo seus amigos Superboy, Kid Flash (antes conhecido como Impulso) e Moça-Maravilha, ao seu lado, termina tendo de enfrentar uma crise única, quando o Superboy se torna uma ameaça a todos.
Recuperado, e querendo se redimir, ele se junta ao Superman, para enfrentar o Superboy Prime, e termina morto.
Timothy decide refazer seu uniforme, devido as suas perdas, deixando-o mais obscuro. Ele então reformula os Novos Titãs e continua, ao lado do Batman, ao lado do Asa Noturna ou mesmo sozinho, a defender Gotham City.