Translate

sábado, 4 de outubro de 2014

Batman faz 75 anos e tem muita história para contar-parte 2

Postado no blog Gothamita em 19/05/2014

COMIC_worlds_best_01No começo da década de 1960, o Cavaleiro das Trevas enfrentava uma baixa gritante de vendas dos quadrinhos, mas nada que fizesse com que a DC Comics cancelasse o título, tanto que o homem-morcego, em uma jogada de marketing, dividia uma revista com o Superman, World’s Finest Comics (1941-1986). A revista, desde sua criação, vinha com histórias co-ligadas des personagens da editora, mas a partir da década de 1950 começou a publica somente aventuras do trio, pois Robin também participava. Mas em 1966, William Dozier cria a série Batman para o canal ABC.

BATMAN 1966 ART BY CHRISTOPHER FRANCHIO seriado para televisão trazia um Batman mais leve, sendo um atrativo para o público infanto-juvenil da época. A dupla dinâmica da série era vivida pelos atores Adam West (Bruce Wayne/Batman) e Burt Ward (Dick Grayson/Robin), e tinham como elenco de suporte os atores Alan Napier (Alfred Pennyworth), Neil Hamilton (Comissário Gordon), Stafford Repp (Chefe O’Hara) e Madge Blake (Tia Harriet), esta última em substituição à tia Agatha, mas dessa vez era tia de Dick Grayson. Já para viver os vilões (que eram sempre atores convidados), tínhamos Burgess Meredith (Pinguim), Cesar Romero (Coringa), Frank Gorshin (Charada) e Julie Newmar (Mulher-Gato), que eram os atores mais recorrentes da série e também participaram de um filme para o cinema (com exceção de Julie Newmar que fora substituida pela atriz Lee Meriwether).

batman-serialsMas Batman não era a primeira série do homem-morcego, pois em 1943 “The Batman” fazia sua estréia como primeira série no cinema dos personagens, tendo como atores Lewis Wilson (Bruce Wayne/Batman), Douglas Croft (Dick Grayson/Robin), William Austin (Alfred Pennyworth) e J. Carrol Naish (Dr. Daka). Seis anos depois ele viria a ganhar mais uma série de matinês intitulada “Batman and Robin”, com os atores Robert Lowery (Bruce Wayne/Batman), John Duncan (Dick Grayson/Robin), Jane Adams (Vicki Vale) e Lyle Talbot (Comissário Gordon).

yvonne-craig-batgirlPerto do fim da série, na intenção de gerar uma nova franquia, Dozier incluiu a atriz Yvonne Craig, que fazia o papel de filha do Comissário Gordon e vestia o traje da Batgirl, se tornando a segunda a usar o nome. Infelizmente a série encontrava-se com baixa audiência, sendo assim, foi cancelada e uma série com a moça-morcego não rolou. Mas em seu auge, nos primeiros anos da série, ela gerou a primeira batmania. Vendia-se de máscara de papel à patinetes do homem-morcego, gerando um lucro para os licenciadores de brinquedos, materiais escolares, fantasias e tudo mais que pudessem ligar ao Batman, que não poderia se pensar. Por causa do seriado live-action, Batman também ganhou um desenho animado intitulado “As Aventuras de Batman e Robin, o Menino Prodígio”, que estreou na CBS em 1969. Ela trazia Batman, Robin, Alfred, Batgirl e Bat-mirim, personagem egresso dos quadrinhos, criado em 1959 por Bill Finger e Sheldon Moldoff, contra os vilões Coringa, Pinguim, Sr. Gelo, Mulher-Gato, Charada, Espantalho e Chapeleiro Maluco.

Denny O'NeilCom a chegada dos anos de 1970, Batman viria a respirar novos ares. Dennis “Denny” O’Neil, escritor que fizera sucesso nas revistas da Marvel, se juntou à Neal Adams, desenhista com quem já havia trabalhado em X-Men, e começaram um trabalho nas histórias do Lanterna Verde, juntando-o ao Arqueiro Verde em uma jornada de pick-up pelos Estados Unidos. A revolução deles foi mostrar, com o selo do Comics Code, problemas de racismo, corrupção, violência doméstica e drogas.

Batman244Mudaram totalmente a visão que tinham dos personagens Arqueiro Verde (que foi mostrado como um esquerdista, contra o sistema) e Lanterna Verde (que deixara as missões espaciais para agir mais na Terra). Com o sucesso deles na série, Julius Schwartz, que era editor-chefe da DC Comics na época, incumbiu-os de renovar a revista do Batman. Então, em 1971, eles mudaram todo o status quo do Cavaleiro das Trevas. Dick Grayson agora ingressaria na faculdade Hudson, fazendo com que Batman voltasse a agir sozinho, como no início. Ele voltaria a agir durante a noite, sem aparições públicas, e ganharia uma nova pessoa que tem conhecimento de sua dupla identidade, a Dra. Leslie Thompkins. Vilões há algum tempo sumidos, retornam, como Duas-Caras, e surge o mais novo inimigo do Batman, Ra’s Al Ghul.

A dupla O’Neil e Adams permaneceu unida até 1973, quando Neal Adams saiu. Dennis O’Neil ainda permaneceu durante um longo tempo, vindo a se tornar editor das revistas do Batman até novembro de 1999, ficando conhecido como “o homem por trás do Batman” e tornando-o um sucesso de vendas nos quadrinhos. Foi durante seu período como editor que as histórias “Batman: O Cavaleiro das Trevas” (1986), “Batman: Ano Um” (1987), “Batman: Ano Dois” (1987), “Batman: Dez Noites da Besta” (1987), “Batman: A Piada Mortal” (1988), “Batman: O Messias” (1988), “Batman: Morte Em Família (1988-1989)”, “Contos do Batman” (1989-2007), “Batman: Ano Três” (1989), “Batman & Dracula: Chuva Rubra” (1991), “Batman: O Nascimento do Demônio” (1992), “Batman: Especial Dia das Bruxas” (Escolhas(1993), Loucura (1994) e Fantasmas (1995)), “Batman: A Vingança de Bane” (1993), “Batman: A Queda do Morcego” (1993-1994), “Batman: Prodígio” (1994-1995), “Batman: Legado” (1996), “Batman: Contágio” (1996), “Batman: O Longo Dia das Bruxas” (1996-1997), “Batman: Terremoto” (1998), “Batman: Terra de Ninguém” (1999) e “Batman: Vitória Sombria” (1999-2000), “Batman: O Que Aconteceu com o Cruzado Encapuzado?” (2009), e tantas outras, desenhada pelos mais diversificados artistas e escrita por tantos outros brilhantes, que tornaram o Batman quem ele se tornou durante os anos de 1980, 1990 e no novo século.clip_image007

Mas mesmo com Dennis O’Neil e Neal Adams terem mudado a visão do Batman já na década de 1970, levando-o a ser novamente o Cavaleiro das Trevas, somente em 1986 Batman conseguiria voltar a ser um fenômeno de vendas com a minissérie the-dark-knight-returns-cover“Batman: O Cavaleiro das Trevas”, escrita e desenhada por Frank Miller. A história quebrava todos os aspectos do Batman, trazendo-o na faixa etária do 50 anos, aposentado da carreira de Cavaleiro das Trevas e vivendo em um Gotham City dominada pela gangue Mutante. Percebe então que o Batman se faz necessário novamente na cidade e, após enfrentar o Líder Mutante, Batman chama a atenção do governo do país que ordena ao Superman, único super-herói na ativa e que trabalha secretamente para o presidente, para conter o homem-morcego, a qualquer custo, levando-o a um dos maiores embates entre os dois. Com essa história, Frank Miller ascende novamente a carreira do Batman nos quadrinhos e ganhou o direito de reformulá-lo após a saga “Crise nas Infinitas Terras” (1985-1986), que reformulou todo o universo DC na década de 1980, na minissérie “Batman: Ano Um”.